Pessimismo marca abertura de reunião climática da ONU

segunda-feira, 26 de novembro de 2012 11:39 BRST
 

Por Alister Doyle e Regan Doherty

DOHA, 26 Nov (Reuters) - Apesar do crescente alarme sobre a mudança climática, quase 200 nações reunidas a partir desta segunda-feira em Doha pouco terão a oferecer além de palavras sobre a necessidade de conter as emissões de gases do efeito estufa.

O provável fracasso na definição de uma prorrogação significativa do Protocolo de Kyoto --tratado que obriga nações desenvolvidas a reduzirem suas emissões-- deve também enfraquecer a busca por um novo acordo que junte países ricos e pobres na luta contra o aquecimento global a partir de 2020.

"A situação é muito urgente... Não podemos mais dizer que a mudança climática é um problema para amanhã", disse Andrew Steer, presidente do Instituto dos Recursos Mundiais, de Washington.

Há dois anos, numa conferência semelhante, os países da ONU decidiram limitar o aquecimento global a 2ºC acima dos níveis pré-industriais. Mas as emissões de gases do efeito estufa bateram um novo recorde em 2011, apesar da desaceleração da economia global.

Na semana passada, um estudo divulgado pela ONU mostrou que o mundo se encaminha para um aumento de 3ºC a 5ºC nas suas temperaturas médias, o que pode causar mais inundações, secas, ondas de calor e elevação dos níveis dos mares.

"Uma resposta mais rápida à mudança climática é necessária e possível", disse Christiana Figueres, diretora do Secretariado de Mudança Climática da ONU, em nota na qual delineou as expectativas para o encontro, que vai até 7 de dezembro.

A reunião acontece num amplo centro de convenções do Catar -- primeiro país da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) a receber a conferência climática anual, e a nação do mundo com a maior taxa per capita de emissões de gases do efeito estufa, quase o triplo da média norte-americana.

Para manter alguma ação climática em vigor, a maioria dos países é favorável à prorrogação do Protocolo de Kyoto, que foi adotado em 1997 e expira no final de 2012. Esse tratado obrigava as nações desenvolvidas a reduzirem suas emissões num volume médio de 5,2 por cento em relação aos níveis de 1990.   Continuação...

 
Presidente da (COP18), Abdullah bin Hamad Al-Attiyah (C), fala na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima, em Doha. 26/11/2012 REUTERS/Mohammed Dabbous