Petrobras quer royalties resolvidos para garantir novos leilões

segunda-feira, 26 de novembro de 2012 17:45 BRST
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO, 26 Nov (Reuters) - A Petrobras quer a rápida resolução do impasse sobre a divisão de royalties do petróleo para ter garantias da realização dos leilões de novas áreas de concessão e o andamento de projetos no pré-sal, disse a presidente da empresa nesta segunda-feira.

"Que seja resolvido da forma que traga menor desentendimento possível e que haja o máximo de aceitação", disse Maria das Graças Foster, referindo-se à polêmica gerada pela recente aprovação no Congresso de um projeto que aumenta os royalties para Estados e municípios não produtores e reduz a fatia dos produtores.

A presidente Dilma Rousseff tem até o dia 30 de novembro para sancionar o projeto de lei que modifica a partilha dos royalties. Ela pode vetar o texto ou partes dele. Caso não vete, há ameaça de os Estados prejudicados entrarem na Justiça, o que poderia prolongar o período de ausência de leilões de áreas exploratórias no país.

Protestos contra a mudança na divisão dos royalties estão ocorrendo na tarde desta segunda-feira no Rio de Janeiro, um dos Estados mais prejudicados pelo novo rateio de recursos.

"Nós pagamos (os royalties) e para nós, do ponto de vista econômico, não faz diferença um modelo ou outro modelo", disse Graça Foster, como a executiva da Petrobras prefere ser chamada, durante evento em São Paulo.

Ela disse que quer ver a equação resolvida da maneira mais rápida possível, evitando eventuais questionamentos judiciais no futuro.

As licitações de novas áreas para exploração de petróleo, o que não ocorre desde 2008, provavelmente só devem sair após a definição sobre a partilha pelos Estados. Sem novos leilões, a área exploratória está minguando no Brasil.

"Nós precisamos que hajam as licitações. É um grande patrimônio esse momento em que você tem uma certa frequência nas licitações e que você pode ter o enriquecimento do portfólio de projetos para o futuro."   Continuação...