Palestinos conquistam reconhecimento implícito de Estado soberano na ONU

quinta-feira, 29 de novembro de 2012 21:33 BRST
 

Por Louis Charbonneau

NAÇÕES UNIDAS, 29 Nov (Reuters) - A Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas aprovou nesta quinta-feira por maioria esmagadora o reconhecimento implícito de um Estado soberano palestino depois que o presidente palestino, Mahmoud Abbas, pediu que a ONU emitisse a sua tão atrasada "certidão de nascimento".

A resolução aprovada mudou o status de observador da Autoridade Palestina de "entidade" para "Estado não-membro", como o Vaticano. A resolução recebeu 138 votos a favor, 9 contra e teve 41 abstenções. A Assembleia Geral é formada por 193 países.

A assembleia aprovou a resolução, apesar das ameaças de Estados Unidos e Israel de castigar a Autoridade Palestina mediante a retenção de fundos muito necessários. Diplomatas na ONU disseram que Israel deve evitar uma retaliação dura enquanto os palestinos não procurarem aderir ao Tribunal Penal Internacional.

A votação tão esperada aconteceu depois que Abbas denunciou Israel por suas "políticas agressivas e a perpetração de crimes de guerra" durante discurso na ONU, declarações que provocaram uma resposta furiosa do Estado judeu.

"Sessenta e cinco anos atrás, neste dia, a Assembleia Geral da ONU adotou a resolução 181, que dividiu a terra da histórica Palestina em dois Estados, se tornando a certidão de nascimento de Israel", disse Abbas, após ser ovacionado em pé.

"A Assembleia Geral é convocada hoje a emitir uma certidão de nascimento da realidade do Estado da Palestina", disse Abbas.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, respondeu rapidamente, condenando a forte crítica a Israel feita por Abbas como "hostil e venenosa" e cheia de "propaganda falsa".

"Essas não são as palavras de um homem que quer paz", disse Netanyahu em um comunicado divulgado por seu gabinete em Israel.   Continuação...