Egípcios protestam nas ruas após Assembleia aprovar nova Constituição

sexta-feira, 30 de novembro de 2012 14:51 BRST
 

Por Edmund Blair e Yasmine Saleh

CAIRO, 30 Nov (Reuters) - Milhares de egípcios protestaram contra o presidente Mohamed Mursi na sexta-feira depois de a assembleia, liderada pelos islâmicos, aprovar uma nova Constituição na tentativa de pôr fim a uma crise sobre a recém-ampliação dos poderes do líder islâmico.

"O povo quer derrubar o regime", cantavam eles na Praça Tahrir, ecoando a cantoria que se ouvia no mesmo local há menos de dois anos, quando Hosni Mubarak foi derrubado.

Mursi disse que o decreto, que proíbe contestações judiciais às suas decisões, e que provocou protestos e violência em várias cidades do país, se limita a "um estágio excepcional".

"Ele vai terminar assim que as pessoas votarem na nova Constituição", disse ele à TV estatal na noite de quinta-feira. "Não há lugar para uma ditadura."

A oposição protestou. Liberais, esquerdistas, cristãos, muçulmanos mais moderados e outros se retiraram da Assembleia, afirmando que suas vozes não eram ouvidas.

Milhares de pessoas lotaram a Praça Tahrir e saíram às ruas em Alexandria e em cidades no Canal de Suez, no Delta do Nilo e no sul de Cairo, respondendo ao clamor da oposição por uma grande manifestação.

A oposição, que tem tido dificuldades para competir com os islâmicos bem organizados, se uniu e foi revigorada pela crise. Dezenas de milhares também protestaram na terça-feira, demonstrando o descontentamento público.

Os islâmicos, no entanto, têm uma máquina política poderosa e os Estados Unidos têm observado com cautela a ascensão de um grupo que já foi mantido sob controle agora governando uma nação que possui um tratado de paz com Israel e está no centro da Primavera Árabe.   Continuação...

 
Membros da assembleia finalizaram a nova Constituição do Egito, que visa a transformação do país e abre caminho para acabar com crise após presidente dar novos poderes a si próprio. 29/11/2012 REUTERS/Mohamed Abd El Ghany