Mantega cita bancos por PIB fraco e vê recuperação da economia

sexta-feira, 30 de novembro de 2012 15:27 BRST
 

SÃO PAULO, 30 Nov (Reuters) - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, reconheceu ter ficado surpreso com o fraco crescimento da economia brasileira no terceiro trimestre, mas disse que a trajetória é de recuperação e que o Produto Interno Bruto (PIB) crescerá 4 por cento em 2013.

"Ninguém acertou (o resultado do PIB no trimestre passado). Acho que todo mundo se descuidou do setor de serviços. Mas posso afirmar que economia está em trajetória de aquecimento, embora não tanto como gostaríamos", afirmou Mantega a jornalistas.

A economia brasileira cresceu apenas 0,6 por cento de julho a setembro sobre o segundo trimestre, metade do esperado, com a pior retração dos investimentos em mais de três anos e estagnação no setor de serviços.

Para Mantega, o mau desempenho no trimestre passado veio sobretudo do setor de serviços, afetado pela atividade de intermediação financeira, que recuou 1,3 por cento. O ministro ressaltou que isso ocorreu porque os bancos sentiram a queda nos spreads bancários e, ao mesmo tempo, não compensaram com maior concessão de crédito.

"Faltou crédito, faltou compensar as quedas nas taxas de juros com volume maior de crédito para que essa taxa (de intermediação financeira) fosse positiva", disse Mantega.

Curiosamente, os vilões do PIB trimestral foram os bancos --alvo de uma ofensiva do governo da presidente Dilma Rousseff, com apoio do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, para provocar redução dos spreads bancários e juros aos tomadores finais.

Os bancos, sobretudo os privados, estão reticentes em conceder novos financiamentos diante de uma inadimplência que não cede. Em outubro, segundo dados do Banco Central, ela ficou em 5,9 por cento pelo quarto mês consecutivo, nível considerado elevado.

Segundo o ministro, a redução dos spreads bancários é boa no longo prazo, embora "num primeiro momento acaba trazendo um impacto negativo" no PIB.

Mantega espera um resultado positivo da intermediação financeira já no quarto trimestre, período em que a economia deve ter expansão de 1 por cento, segundo estimou o ministro.   Continuação...

 
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, durante coletiva de imprensa em Brasília. Foto de Arquivo. 29/08/2012 REUTERS/Ueslei Marcelino