7 de Dezembro de 2012 / às 12:37 / em 5 anos

Yara compra divisão de adubos da Bunge no Brasil por R$750 mi

OSLO, 7 Dez (Reuters) - A norueguesa Yara fechou a compra do negócio de fertilizantes da Bunge no Brasil em uma transação avaliada em 750 milhões de dólares, segundo anúncio feito nesta sexta-feira.

A Yara, maior fabricante mundial de fertilizantes à base de nitrogênio, irá adquirir as marcas da Bunge, armazéns e 22 unidades de mistura.

As empresas também fizeram um contrato de fornecimento de longo prazo, em que a Bunge continuará a vender fertilizantes a agricultores.

“A Bunge manterá e continuará a operar o terminal de fertilizantes no Porto de Santos, em SP”, disse a companhia.

As unidades adquiridas compram fertilizantes nos mercados e realizam misturas de diferentes produtos.

Os ativos comprados têm capacidade de produção de 350 mil toneladas, o que ajudará a Yara em seu plano de acrescentar 4 milhões de toneladas de capacidade à sua atual produção de 20 milhões de toneladas, para atingir meta ambiciosa para 2016.

“Ambas as empresas ganham com a transação, pois por um lado permitirá que a Bunge dimensione suas atividades na área de fertilizantes, de forma que complemente suas operações de agronegócio, conferindo maior agilidade à empresa”, disse em nota Alberto Weisser, presidente do conselho e presidente-executivo da Bunge.

“Por outro lado, proporcionará à Yara uma posição maior em um mercado em crescimento.”

“Esta aquisição cai como uma luva”, disse o analista Perr Haagensen da corretora Fondsinans. “E o preço parece justo. Se eles obtiverem as sinergias, é um preço muito bom.”

A transação deverá ser finalizada no segundo semestre de 2013 e está sujeita às condições de fechamento de praxe.

A Yara espera sinergias no valor de 25 milhões de dólares em 2014.

A unidade de fertilizantes da Bunge no Brasil teve receita de 2,6 bilhões de dólares em 2011 e lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de 77 milhões de dólares.

A Bunge no Brasil já atuou também na produção de fertilizantes, com minas de rocha fosfática e participação na Fosfertil, maior produtora de produtora brasileira de matérias-primas para fertilizantes. Mas a empresa saiu do negócio de exploração em 2010, após a venda destes ativos para a Vale.

A Vale anunciou em maio de 2010 que havia concluído a aquisição de compra da participação de quase 60 por cento da Fosfertil e dos ativos brasileiros da Bunge por um total de 4,7 bilhões de dólares.

A Bunge vendeu a divisão de mineração de matérias-primas de fertilizantes por considerar que o tipo de negócio se enquadrava mais para empresas gigantes de mineração.

A Yara, por sua vez, está crescendo no setor à medida que o aperto de oferta no mercado de grãos aumenta a demanda por fertilizantes e o crescimento industrial na Ásia dá suporte ao crescimento de longo prazo.

Por outro lado, a queda no preço do carvão tornou o processo de fabricação de fertilizantes mais barato na China, colocando pressão nos preços internacionais.

Por Balazs Koranyi, Joachim Dagenborg e Terje Solsvik

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below