Brasil e Argentina discutem entraves comerciais que afetam Mercosul

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012 15:54 BRST
 

Por Esteban Israel

BRASÍLIA, 7 Dez (Reuters) - A verdadeira cúpula do Mercosul em Brasília começa nesta sexta-feira, mas quando todos os convidados já estiverem voltando para casa.

Será quando a presidente Dilma Rousseff e a colega argentina Cristina de Kirchner irão se fechar durante duas horas a sós no Palácio da Alvorada para discutir a lista cada vez maior de problemas que tumultuam a relação entre as duas maiores economias da América do Sul.

O Brasil quer discutir a queda de 21 por cento das importações brasileiras pela Argentina no ano e a acelerada perda de mercado perante a China, disse à Reuters uma autoridade brasileira de alto escalão.

"A Argentina também é um problema brasileiro. O Brasil não pode permitir que haja uma crise", disse a fonte. "Temos uma aliança estratégica e temos de buscar uma solução", acrescentou.

Reservadamente, no entanto, as autoridades brasileiras se mostram cada vez mais frustradas com os entraves comerciais impostos este ano pela Argentina para tentar conter a saída de dólares do país.

O ponto de vista da Argentina é diametralmente oposto. "Não há conflitos", disse um diplomata argentino do alto escalão que esperava a chegada de Cristina no hall do Palácio do Itamaraty, a sede do Ministério das Relações Exteriores brasileiro onde a cúpula é realizada. "O comércio é apenas uma pequena parte da agenda bilateral", afirmou.

PERDENDO PESO

A reunião entre Dilma e Cristina Kirchner ilustra os malabarismos do Brasil para não perder um mercado de 22,7 bilhões de dólares anuais para seus produtos.   Continuação...

 
A presidente do Brasil, Dilma Rousseff (esquerda), e a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, posam para foto oficial no Palácio do Itamaraty, em Brasília. 7/12/2012 REUTERS/Ueslei Marcelino