Chávez anuncia volta do câncer e nomeia eventual sucessor

domingo, 9 de dezembro de 2012 18:50 BRST
 

Por Marianna Párraga e Mario Naranjo

CARACAS, 9 Dez (Reuters) - O presidente venezuelano, Hugo Chávez, voltará neste domingo a Cuba para uma nova cirurgia após a reincidência do câncer, que o levou a nomear um sucessor ao reconhecer pela primeira vez que a doença poderia pôr fim a seu governo.

Desde o início deste domingo, seguidores do mandatário se organizavam para marchar em seu apoio nas principais cidades da Venezuela, um país chocado com a volta do câncer apenas dois meses depois de que Chávez venceu as eleições presidenciais e antes de assumir o novo mandato, com o qual estenderá seu governo a quase 20 anos.

Em uma mensagem em rede nacional de televisão, Chávez instou no sábado os venezuelanos a eleger o vice-presidente Nicolás Maduro caso ele não consiga continuar no comando do país e se novas eleições forem convocadas, a primeira vez em que admitiu que poderia não continuar no poder.

"É necessário submeter-me a uma nova intervenção nos próximos dias", acrescentou Chávez, que pediu permissão formal à Assembleia Legislativa para se ausentar do país a partir deste domingo.

"Com o favor de Deus, como nas ocasiões anteriores, sairemos vitoriosos, iremos para frente, tenho plena fé nisso", acrescentou Chávez, beijando um crucifixo que carrega como amuleto e que também beijou logo depois de um golpe de Estado contra ele em abril de 2002.

Contudo, o possível fim do governo Chávez abriria uma transição que, em um país tão centralizado e dependente de uma pessoa só como a Venezuela, poderia acender a chama da instabilidade política.

Os aliados de Chávez não têm seu carisma e fortaleza política, que fizeram dele um dos mais reconhecidos líderes mundiais e maiores críticos dos Estados Unidos.

Entre eles, Maduro, de 50 anos, é visto com bons olhos pelos chavistas por seu passado humilde de motorista de ônibus e suas formas afáveis de comunicar suas ideias. E, com a permissão de Chávez, o caminho poderia ser menos complicado ao também chanceler.   Continuação...

 
O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, beija um crucifixo ao pronunciar-se em rede nacional no Palácio dos Miraflores em Caracas, Venezuela. 8/12/2012 REUTERS/Palácio dos Miraflores/Divulgação