Partidos italianos começam campanha e tentam persuadir Monti

domingo, 9 de dezembro de 2012 14:11 BRST
 

Por Steve Scherer

ROMA, 9 Dez (Reuters) - Os partidos políticos italianos começaram a se organizar neste domingo antes de eleições previstas para fevereiro, enquanto partidários do primeiro-ministro, o tecnocrata Mario Monti, tentavam persuadi-lo a continuar na política.

Monti afirmou repetidamente que não vai fazer campanha pelo poder, mas que ele estaria disposto a assumir novamente como um premiê apolítico caso o resultado das votações fosse incerto.

Mas o inesperado anúncio de renúncia do premiê em face aos ataques do líder do partido Povo da Liberdade (PDL), Silvio Berlusconi, contra suas orientações econômicas está estimulando as especulações de que Monti está pronto para entrar na disputa.

Os "progressivos" italianos, grupo que inclui desde o centro-esquerdista Partido Democrata (PD) à União do Centro (UDC), "identificam-se com as medidas razoáveis e responsáveis adotadas por Monti", disse o líder do UDC, Pier Ferdinando Casini, neste domingo.

"Uma grande parte da sociedade não quer voltar ao populismo e à demagogia do passado. Precisamos conceder a eles a oferta política que desejam".

O candidato do PD, Pier Luigi Bersani, elogiou o plano de Monti de deixar o cargo imediatamente após a aprovação do orçamento, dizendo que ele demonstra grande dignidade. Bersani venceu eleições primárias ao estilo dos Estados Unidos na semana passada, prometendo continuar o caminho trilhado pelo atual premiê.

O PD está na frente do PDL por pelo menos 16 pontos percentuais, de acordo com pesquisas da última semana.

A campanha de Berlusconi contra a austeridade inspirada pela União Europeia que foi adotada com o objetivo de conter o avanço de uma crise de dívida "ameaça minar os dolorosos sacrifícios que todos os italianos fizeram neste ano para salvar a economia nacional", disse o dirigente do PD na Câmara, Dario Franceschini.