11 de Dezembro de 2012 / às 17:37 / 5 anos atrás

Crise se agrava no Egito; empréstimo do FMI é adiado

Por Yasmine Saleh e Marwa Awad

Manifestantes anti-Mursi cantam slogans na Praça de Tahrir, em Cairo, Egito. 11/12/2012 REUTERS/Mohamed Abd El Ghany

CAIRO, 11 Dez (Reuters) - Um empréstimo vital de 4,8 bilhões de dólares do Fundo Monetário Internacional (FMI) ao Egito será adiado para até o mês que vem, informou o ministro das Finanças egípcio nesta terça-feira, intensificando a crise política que afeta o país mais populoso do mundo árabe.

Enquanto facções rivais reuniam-se no Cairo e em Alexandria para uma nova rodada de manifestações, o ministro das Finanças, Mumtaz al-Said, afirmou que o atraso do empréstimo se destinava a ganhar tempo para explicar as medidas do pacote de austeridade econômica ao povo egípcio.

O anúncio foi feito depois que o presidente Mohamed Mursi recuou, na segunda-feira, de seus planos de aumentar os impostos, considerados chave para a obtenção do empréstimo. Os grupos da oposição criticaram duramente o pacote fiscal, que inclui taxações sobre bebidas alcoólicas, cigarros e uma série de bens e serviços.

“É claro que o adiamento terá algum impacto econômico, mas estamos discutindo as medidas necessárias (para lidar com isso) durante o próximo período”, disse o ministro à Reuters. E acrescentou: “Estou otimista... tudo ficará bem, se Deus quiser.”

O primeiro-ministro Hisham Kandil disse que o Egito solicitou o adiamento do empréstimo por um mês.

“Os desafios são econômicos e não políticos e precisam ser lidados em separado da política”, afirmou ele em uma entrevista coletiva.

Kandil disse que as reformas não afetarão os pobres. Pão, açúcar e arroz não serão atingidos, mas o cigarro e o óleo de cozinha subirão e serão impostas multas para quem jogar lixo na rua. Na tentativa de reconstruir um consenso, ele disse que haverá um diálogo nacional sobre o programa econômico na semana que vem.

Em Washington, o FMI informou que o Egito solicitou o adiamento do empréstimo “à luz dos acontecimentos que se desenvolvem no local”. O Fundo mantinha-se pronto para consultas com o Egito na retomada das discussões sobre o empréstimo congelado, afirmou uma porta-voz.

HOMENS ABREM FOGO

Nas ruas da capital, a tensão era grande depois que nove pessoas ficaram feridas quando homens armados atiraram contra os manifestantes acampados na Praça Tahrir, de acordo com testemunhas e a mídia egípcia.

A oposição convocou uma grande manifestação na esperança de forçar Mursi a adiar o referendo sobre a nova Constituição. Diante do palácio presidencial, dezenas de manifestantes derrubaram dois blocos de concreto gigantes que formavam uma parede bloqueando o acesso ao local.

Milhares de simpatizantes de Mursi, que quer que o plebiscito ocorra no sábado, como planejado, se reuniram em uma mesquita nas proximidades, preparando o palco para novos confrontos de rua em uma crise que divide o país de 83 milhões de habitantes.

Na segunda maior cidade do Egito, Alexandria, milhares de manifestantes rivais se reuniram em locais separados. Os simpatizantes de Murzi cantavam: “O povo quer a implementação da lei islâmica”, enquanto seus opositores gritavam: “O povo quer derrubar o regime”.

A agitação no país, depois da queda de Hosni Mubarak no ano passado, preocupa o Ocidente, em especial os Estados Unidos, que tem dado ao governo egípcio bilhões de dólares em ajuda militar e outros tipos de assistência desde que o Egito fez a paz com Israel em 1979.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below