Fed atrela juros próximos de zero à queda do desemprego e lança novo estímulo

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012 18:51 BRST
 

Por Pedro da Costa e Alister Bull

WASHINGTON, 12 Dez (Reuters) - Em uma decisão surpreendente, o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, disse nesta quarta-feira que vai manter quase zeradas as taxas de juros até que o desemprego norte-americano recue para menos de 6,5 por cento, lançando também uma nova rodada de compra de bônus para estimular a economia.

O Fed disse que seu comprometimento em manter os juros constantes até que essa nova meta seja atingida durará enquanto as projeções de inflação não superarem 2,5 por cento para um ou dois anos no futuro e enquanto as expectativas de inflação continuarem contidas.

O Fed, que revisou para baixo suas projeções de crescimento econômico e inflação para o próximo ano, substituiu um programa de estímulo mais modesto que vence no final do ano por uma nova rodada de compra de treasuries, papel do Tesouro norte-americano.

"O comitê ainda teme que, sem afrouxamento suficiente, o crescimento econômico pode não ser forte o bastante para gerar melhora sustentável nas condições do mercado de trabalho", afirmou o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Fed em comunicado.

Autoridades do Fed se comprometeram a comprar mensalmente 45 bilhões de dólares em treasuries, além da aquisição mensal de 40 bilhões de dólares em ativos hipotecários que a autoridade monetária começou a realizar em setembro, como esperado pelos mercados financeiros.

Sob o programa "Operação Twist", que expira no final deste mês, o Fed estava comprando 45 bilhões de dólares em Treasuries com prazo mais longo com os recursos captados na venda de dívida com prazos mais curtos.

A nova rodada de compra de ativos pelo governo anunciada nesta quarta-feira será financiada essencialmente por meio da criação de mais dinheiro, expandindo o portfólio de 2,8 trilhões de dólares do Fed.

Membros do Fed aprovaram o programa por 11 votos a 1. O presidente do Fed de Richmond, Jeffrey Lacker, se opôs à decisão, como fez em todas as reuniões do Fomc neste ano, expressando oposição tanto em relação às compras de bônus quanto contra as novas metas econômicas.   Continuação...

 
Vista da escultura de águia em frente à sede do Federal Reserve, banco central norte-americano, em Washington, EUA. A autoridade monetária ampliou suas medidas de estímulo à economia nesta quarta-feira, expressando decepção com o ritmo da recuperação no emprego enquanto controversas negociações orçamentárias nos Estados Unidos elevam a incerteza sobre as perspectivas. 22/08/2012 REUTERS/Larry Downing