Aviões sírios atacam rebeldes nos arredores de Damasco

sábado, 15 de dezembro de 2012 13:39 BRST
 

Por Dominic Evans

BEIRUTE (Reuters) - Caças sírios bombardearam neste sábado insurgentes no leste de Damasco, e forças do governo atacaram uma cidade no sudoeste, disseram ativistas, em uma campanha que já dura um mês e até agora não atingiu seu objetivo de retirar os rebeldes das cercanias da capital.

Aviões bombardearam o bairro Beit Sahm, na estrada que leva ao aeroporto internacional, e o Exército disparou foguetes em vários redutos rebeldes nas cercanias de Damasco, bastião do presidente Bashar al-Assad durante os 21 meses de uma revolta que se torna cada vez mais violenta.

O líder alauita de 47 anos, que foi forçado a ficar na defensiva pelos rebeldes da maioria sunita, tem usado com cada vez mais frequência ataques aéreos e artilharia para conter o avanço dos rivais por terra.

O comandante norte-americano da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) também acusou as tropas de Assad de dispararem mísseis Scud que caíram perto da fronteira com a Turquia, ao explicar por que a aliança ocidental está mandando baterias antiaéreas e tropas para a fronteira norte da Síria.

O governo sírio nega ter disparado tais foguetes de longo alcance e fabricação russa. Mas o almirante James Stavridis escreveu em um blog que alguns mísseis Scud foram lançados na Síria nos últimos dias contra alvos da oposição e "vários caíram muito próximos da fronteira com a Turquia, o que é muito inquietante".

Não ficou claro o quão perto eles caíram. A Turquia, membro da Otan que já foi amigável a Assad, mas agora está entre os aliados dos rebeldes, reclamou de alguns disparos de artilharia que caíram além da fronteira e causaram mortes. O país buscou a instalação de defesas de mísseis em sua fronteira há algumas semanas.

"A Síria está claramente em uma situação caótica e perigosa, mas temos uma obrigação absoluta de defender as fronteiras da aliança de qualquer ameaça que venha desse Estado problemático", afirmou Stavridis.

Baterias de mísseis norte-americanos Patriot, fabricados para interceptar os Scud e associados popularmente à Guerra do Golfo, em 1991, serão destacados pelos exércitos de EUA, Alemanha e Holanda, e cada país enviará cerca de 400 soldados para operar e proteger os sistemas de foguetes.   Continuação...

 
Manifestantes protestam contra ditador sírio Bashar al-Assad próximos a prédios danificados na cidade de Kafranbel. 14/12/2012. REUTERS/Raed Al-Fares/Shaam News Network/Handout