Obama e Boehner se aproximam de acordo para evitar "abismo fiscal"

terça-feira, 18 de dezembro de 2012 10:03 BRST
 

Por Richard Cowan e Mark Felsenthal

WASHINGTON, 18 Dez (Reuters) - As diferenças sobre como resolver o "abismo fiscal" dos EUA diminuíram significativamente na segunda-feira à noite, quando o presidente Barack Obama fez uma contraproposta aos republicanos, revendo inclusive sua posição a respeito dos aumentos tributários para os norte-americanos mais ricos, segundo uma fonte familiarizada com as discussões.

A fonte salientou que essa não era a posição final de Obama, mas a proposta foi bem recebida, embora com reservas, pelo presidente da Câmara dos Deputados, o republicano John Boehner. Ele havia se reunido antes com o presidente, do Partido Democrata, para buscar uma solução que evite o "abismo" -- a conjunção de cortes de gastos públicos e aumentos tributários generalizados que entram em vigor no começo de 2013, caso não haja acordo em contrário.

Na sua mais relevante mudança de posição até agora, a Casa Branca propôs manter uma alíquota tributária reduzida para todos os contribuintes que ganham até 400 mil dólares por mês. Durante meses, o presidente insistiu em taxar quem ganha mais de 250 mil dólares por ano. Boehner preferia manter o teto em 1 milhão.

Obama também se aproximou de Boehner a respeito do percentual que o aumento da arrecadação tributária deve representar dentro de um pacote de dez anos para a redução do déficit público, em comparação a cortes nos gastos públicos.

Obama está disposto a aceitar agora uma cifra de 1,4 trilhão de dólares em impostos cobrados, 200 bilhões a menos do que na sua proposta inicial. A nova proposta de Boehner fala em 1 trilhão de dólares em arrecadação tributária.

Parte da economia nos gastos públicos viria na redução dos reajustes de pensões previdenciárias, exceto para os beneficiários mais "vulneráveis".

Mas Obama e Boehner continuam muito distantes a respeito da questão, politicamente explosiva, de como e quando elevar o teto de endividamento do governo.

Boehner propôs elevar o valor durante um ano, atrelando isso a cortes de gastos. Obama, até a noite de segunda-feira, defendia um aumento de dois anos, o que pode desagradar parlamentares conservadores, que vinham usando a questão do teto da dívida para buscar mais cortes de gastos do governo.   Continuação...

 
Presidente dos EUA, Barack Obama, realiza reunião bipartidária com líderes do Congresso, na Casa Branca. As diferenças sobre como resolver o "abismo fiscal" dos EUA diminuíram significativamente na segunda-feira à noite, quando o presidente Barack Obama fez uma contraproposta aos republicanos, revendo inclusive sua posição a respeito dos aumentos tributários para os norte-americanos mais ricos. 16/11/2012 REUTERS/Larry Downing