Massacre nos EUA leva indústria de armas a rever investimentos

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012 10:21 BRST
 

Por Greg Roumeliotis e Ross Kerber

19 Dez (Reuters) - Fabricantes de armas dos EUA enfrentam pressões de alguns grandes investidores depois do massacre da semana passada em uma escola primária de Connecticut.

A firma de private equity Cerberus Capital Management anunciou que vai vender a maior fabricante norte-americana de armas de fogo, e importantes fundos de pensões públicos estão revendo seus investimentos nesse setor.

A Cerberus anunciou na terça-feira a intenção de se desfazer do Freedom Group, fabricante do rifle Bushmaster, uma variação do fuzil AR-15, a mesma arma usada por um atirador de 20 anos para matar 20 crianças e 6 adultos na escola primária Sandy Hook, na localidade de Newtown.

A decisão da Cerberus foi motivada por preocupações apresentadas por alguns dos seus investidores, inclusive o Sistema de Aposentadoria dos Professores do Estado da Califórnia, que disse na segunda-feira que iria rever seus investimentos junto à firma.

"Está aparente que a tragédia de Sandy Hook foi um divisor de águas que elevou o debate nacional sobre o controle de armas a um nível sem precedentes", disse a Cerberus, que gere uma carteira de mais de 20 bilhões de dólares.

O Fundo de Aposentadoria Comum do Estado de Nova York, que tem 150,1 bilhões de dólares sob sua gestão, também decidiu rever seus investimentos em fábricas de armas, disse na terça-feira um porta-voz da Controladoria do Estado de Nova York.

Fundos de pensão da prefeitura de Nova York também estão revendo seus investimentos e podem vender quase 18 milhões de dólares em ações de quatro empresas que produzem armas e munições, disse um porta-voz na terça-feira.

Uma pequena parcela desse total (17.866 dólares) está investida em ações da fabricante brasileira de revólveres Forjas Taurus, cujas ações tiveram queda de 3,8 por cento na terça-feira. Outras empresas afetadas também registraram desvalorização em suas ações.   Continuação...

 
Vendedor Eric Grabowski mostra arma em uma loja, em Wisconsin. Fabricantes de armas dos EUA enfrentam pressões de alguns grandes investidores depois do massacre da semana passada em uma escola primária de Connecticut. 07/08/2012 REUTERS/John Gress