Mantega anuncia nesta 4a novo pacote de estímulo

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012 14:14 BRST
 

Por Luciana Otoni

BRASÍLIA, 19 Dez (Reuters) - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anuncia nesta quarta-feira novo pacote com reduções de tributos como parte de uma desoneração de 40 bilhões de reais prevista para 2013, em mais um esforço para fomentar o crescimento em um momento em que a economia mostra dificuldade de recuperação.

Mantega, que nesta quarta-feira fez um balanço da economia em encontro com jornalistas, vai comunicar a ampliação da desoneração da folha de pagamento, a concessão de crédito tributário do PIS/Cofins para o setor de serviços e fará anúncio relacionado ao Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de veículos, linha branca e móveis, cuja redução das alíquotas vigora até o próximo dia 31.

Questionado se o governo prorrogaria a redução da alíquota do IPI para os setores automotivos e de linha branca, que termina no final deste ano, Mantega respondeu: "Em 2013, haverá recomposição do IPI".

REAJUSTE DE COMBUSTÍVEIS

Um dia após participar de reunião do conselho da Petrobras, Mantega afirmou que "certamente" haverá aumento nos preços de combustíveis em 2013.

Questionado sobre como o governo fará para amortecer esse reajuste na inflação, já que a alíquota da Cide-Combustível foi zerada, o ministro explicou que conta com a perda de valor do petróleo no mercado externo.

"Não há nada de excepcional nisso. Tivemos aumento da gasolina e diesel em 2012 e haverá no próximo ano. Podemos esperar que o preço internacional do petróleo caia", disse, sem dar mais detalhes.

Sobre a inflação, o ministro afirmou que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) será menor em 2012 do que foi em 2011, sem avançar na análise para 2013.   Continuação...

 
O ministro da Fazenda Guido Mantega em coletiva de imprensa em Brasília, em novembro. O ministro disse nesta quarta-feira que "certamente" haverá aumento nos preços de combustíveis em 2013, ao mesmo tempo em que adiantou que o governo fará reduções permanentes de tributos no próximo ano. 07/11/2012 REUTERS/Ueslei Marcelino