BRASIL 13/14-Montadoras mostram confiança, mas veem riscos à frente

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012 16:44 BRST
 

(A Reuters publica uma série de matérias especiais sobre as perspectivas para o Brasil em 2013 e 2014)

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO, 21 Dez (Reuters) - O setor automotivo ingressa em 2013 numa situação mais positiva que em 2012, com estoques controlados, inadimplência dando sinais de trégua, crescimento do país começando a acelerar e um novo regime automotivo que contém importações e força mais investimento em produção local.

Se por um lado as dificuldades de 2012 --que levaram o governo a reduzir impostos e a incentivar financiamentos para a aquisição de veículos-- ficaram para trás, os esperados problemas de ociosidade devem ficar apenas para 2014 em diante.

A expectativa oficial da indústria responsável por 23 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) industrial do país é de renovação de recorde de vendas em 2013, pelo sétimo ano consecutivo, para entre 3,94 milhões e 3,98 milhões de veículos, uma alta de 3,5 a 4,5 por cento sobre 2012.

O setor ainda deve passar por uma recuperação de produção, com alta de 4,5 por cento, para 3,51 milhões de unidades, ante queda de 1,5 por cento em 2012, o primeiro recuo desde 2002.

Mesmo com a expectativa de crescimento em 2013, pode haver dificuldades para a venda de veículos leves à frente, devido à antecipação de compras causada pelo desconto no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para o setor.

"O problema é que quanto mais tempo o governo mantém o desconto no IPI, mais ele rouba demanda do futuro", disse o analista do setor automotivo latino-americano da consultoria internacional IHS, Guido Vildozo.

O IPI menor --o remédio usado para incentivar as vendas em 2012-- tem cada vez menos efeito e não será suficiente sozinho para incentivar as vendas em 2013, segundo analistas, que consideram que o desempenho do setor dependerá muito mais da retomada da economia que do amparo de incentivos provisórios do governo.   Continuação...

 
Um funcionário monta um carro da Volkswagen na fábrica da montadora em São Bernardo do Campo. 6/04/2011 REUTERS/Nacho Doce