Obama e Congresso dos EUA iniciam último esforço sobre abismo fiscal

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012 12:27 BRST
 

Por Fred Barbash e Mark Felsenthal

WASHINGTON/HONOLULU, 26 Dez (Reuters) - O presidente norte-americano, Barack Obama, deve voltar a Washington no início da quinta-feira em um último esforço para negociar um acordo com o Congresso que evite ou pelo menos adie o "abismo fiscal" de aumentos de impostos e cortes de gastos do governo agendado para começar na próxima semana.

Nenhum acordo de projeto de lei específico para tratar do abismo estava no cronograma, seja do Senado dos EUA ou da Câmara dos Deputados, que devem retornar na quinta-feira após uma pausa para o Natal. Os investidores estão acompanhando de perto as negociações, preocupados que o abismo poderia jogar a economia em recessão.

Assessores e membros do Congresso disseram que uma medida modesta de última hora para evitar os cortes de gastos e a maioria dos aumentos de impostos poderia passar pelo Senado controlado pelos democratas se os republicanos concordarem em não usar um obstáculo processual conhecido como obstrução, um compromisso que o líder republicano no Senado Mitch McConnell até agora não fez.

Mas para conseguir a aprovação na Câmara controlada pelos republicanos de qualquer projeto de lei que aumente os impostos sobre qualquer um, um raro voto bipartidário seria necessário. Todos os 191 democratas teriam que se juntar com pelo menos 26 republicanos para obter maioria se o projeto incluir aumento de impostos sobre os norte-americanos mais ricos, como Obama exige.

Alguns desses votos podem vir de alguns dos 34 membros republicanos que estão se aposentando ou foram derrotados nas eleições de novembro e já não precisam mais se preocupar com as consequências políticas.

Em alternativa, o Congresso poderia deixar o imposto de renda subir para todos como previsto agora e em seguida, durante a primeira semana de janeiro, tentar um rápido acordo para cortá-lo de volta, exceto para os patamares mais altos, junto com uma medida que adie os 109 bilhões de dólares de corte de gastos automático que a maioria dos parlamentares quer evitar.

Assim que o relógio bater meia-noite em 31 de dezembro, nenhum membro do Congresso teria de votar em um aumento de impostos para qualquer um --os impostos subiriam automaticamente -- e os únicos votos seriam para diminuir as taxas de impostos para a maioria dos norte-americanos de volta aos níveis de 2012.

Obama e os legisladores do Congresso deixaram Washington na sexta-feira para o feriado de Natal com as negociações para evitar o abismo fiscal no limbo.

Obama deve recorrer a um aliado democrata confiável, o líder da maioria no Senado Harry Reid, para ajudar a elaborar um acordo rápido.

Assessores da Casa Branca começaram a discutir detalhes da medida orçamentária do fim do ano com os seus colegas democratas no Senado no início desta semana, disse um alto funcionário do governo na segunda-feira.