Com Obama de volta, Washington retoma diálogo sobre "abismo fiscal"

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012 09:01 BRST
 

Por Richard Cowan e Mark Felsenthal

WASHINGTON/HONOLULU, 27 Dez (Reuters) - Os partidos políticos norte-americanos voltaram a empreender esforços para evitar que os Estados Unidos caiam no chamado "abismo fiscal", a menos de uma semana para a prevista entrada em vigor dos aumentos de impostos e cortes de despesas potencialmente desastrosos para a economia dos EUA.

Num indício de que poderá haver uma saída para o impasse no Congresso, o presidente da Câmara dos Deputados, o republicano John Boehner, fez um chamado ao Senado, controlado pelos democratas, para que tome atitudes que evitem o "abismo".

Ele também se ofereceu para pelo menos estudar qualquer proposta feita pelos senadores.

O presidente dos EUA, Barack Obama, vai tentar reavivar as conversações sobre a crise orçamentária --estancadas na semana passada --quando retornar a Washington nesta quinta-feira, após breves férias de Natal no Havaí.

As esperanças de aprovação de legislação que evite o "abismo fiscal" estão centradas agora no Senado, já que os objetivos da Casa Branca e dos republicanos ainda estão muito distantes.

Os democratas têm maioria no Senado, mas ainda assim precisam de algum apoio de republicanos para sua tentativa de aumentar os impostos somente para as grandes fortunas.

Um alto funcionário do governo disse a repórteres, durante a viagem de retorno de Obama do Havaí, que os líderes republicanos no Congresso --o senador Mitch McConnell e Boehner-- deveriam tomar a iniciativa de impedir o aumento geral de impostos e o corte de despesas.

"Compete ao líder da minoria no Senado não bloquear a votação, e cabe ao líder republicano na Câmara, o presidente da Câmara... permitir o voto", disse o alto funcionário.   Continuação...