Putin sanciona lei que proíbe americanos de adotar crianças russas

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012 17:55 BRST
 

Por Alissa de Carbonnel

MOSCOU, 28 Dez (Reuters) - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, sancionou uma lei nesta sexta-feira que proíbe norte-americanos de adotarem crianças russas e impõe outras sanções em retaliação a uma nova lei de direitos humanos dos Estados Unidos que ele diz que está envenenando as relações bilaterais.

Washington descreveu a nova lei russa como equivocada, dizendo que ela liga o destino das crianças a "considerações políticas não relacionadas", e analistas afirmam que é provável que ela aumente um resfriamento nas relações entre Rússia e Estados Unidos e prejudique a imagem de Putin no exterior.

Cinquenta e duas crianças, cujas adoções por pais norte-americanos estavam em andamento, agora permanecerão na Rússia, disse a agência de notícias Interfax, citando o comissário de direitos das crianças russo, Pavel Astakhov.

A nova lei, que também provocou indignação entre liberais russos e defensores dos direitos infantis, entra em vigor em 1 de janeiro.

A legislação, cujo texto foi divulgado pelo Kremlin, também vai banir algumas organizações não-governamentais que recebem dinheiro dos Estados Unidos e impor uma proibição de visto e congelar bens de norte-americanos acusados de violar os direitos de russos no exterior.

Legisladores pró-Kremlin inicialmente esboçaram o projeto de lei para espelhar o Ato Magnitsky dos Estados Unidos, que barra a entrada no país de russos acusados de envolvimento na morte em custódia do advogado anticorrupção Sergei Magnitsky e outros supostos abusos de direitos humanos.

As restrições sobre as adoções e sobre os grupos foram acrescentadas à legislação posteriormente, indo além de uma medida toma-lá-dá-cá e escalando a disputa com Washington em uma época em que os laços já estão desgastados por questões como a crise síria.

A proibição de adoção pode manchar ainda mais a postura internacional de Putin em uma época em que o ex-agente da KGB está sob escrutínio devido a o que os críticos dizem ser uma repressão sobre a dissidência desde que ele voltou ao Kremlin para um terceiro mandato em maio.   Continuação...