Encontro na Casa Branca sobre "abismo fiscal" tem baixa expectativa

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012 12:56 BRST
 

Por Fred Barbash

WASHINGTON, 28 Dez (Reuters) - O presidente dos EUA, Barack Obama, e líderes do Congresso vão se reunir nesta sexta-feira pela primeira vez desde novembro, mas sem nenhum sinal de progresso na resolução de suas diferenças sobre o orçamento federal e com baixas expectativas de um acordo para evitar o "abismo fiscal" antes de 1o de janeiro.

Os membros do Congresso estão cada vez mais olhando para o período imediatamente após o prazo de 31 de dezembro para chegar a uma solução retroativa para evitar os fortes aumentos de impostos e cortes de gastos profundos que os economistas têm dito que poderiam levar o país a uma nova recessão.

Com os impostos sobre todos os norte-americanos subindo quando as alíquotas baixas estabelecidas pelo presidente George W. Bush expirarem em 31 de dezembro, os parlamentares conseguiriam voltar em janeiro e dar um voto politicamente mais palatável sobre o corte de algumas das taxas.

O pessimismo com o cumprimento do prazo era compartilhado por muitos analistas de mercado. Observando que a Câmara dos Deputados dos EUA não foi sequer convocada até domingo, a economista da Daiwa Securities Emily Nicols disse que "os mercados ainda esperam um acordo, mesmo que só em janeiro".

O novo fator na mistura era o envolvimento do líder da minoria no Senado, o republicano Mitch McConnell, que disse na quinta-feira que manteve conversas com Obama e espera uma nova proposta do presidente.

A Casa Branca passou a maior parte da quinta-feira abafando as expectativas para qualquer nova oferta de Obama, além do plano de recuo limitado que ele delineou em termos vagos em 21 de dezembro, que protegeria o que ele descreveu como "norte-americanos de classe média" dos aumentos de impostos, estenderia o seguro-desemprego e estabeleceria o "trabalho de base para mais trabalho" na redução do déficit e reforma tributária.

O grande ponto de discordância é a oposição republicana ao aumento de impostos para qualquer pessoa, especialmente na ausência de cortes pesados nos gastos para os chamados programas de benefícios como o Medicare e o Medicaid, programas de saúde administrados pelo governo para os idosos e os pobres.

Os democratas no Congresso querem manter as taxas de imposto mais baixas para a maioria dos norte-americanos, mas aumenta-las sobre os que ganham acima de 250.000 dólares por ano.   Continuação...

 
Presidente dos Estados Unidos Barack Obama vai se encontrar com líderes congressistas na tentativa de firmar um acordo para evitar o chamado "abismo fiscal" antes do Ano Novo. 21/12/2012. REUTERS/Kevin Lamarque