Aço sobe pela 4a sessão na China; minério está perto de US$140/t

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012 12:57 BRST
 

XANGAI, 28 Dez (Reuters) - Os futuros do aço em Xangai subiram pela quarta sessão consecutiva nesta sexta-feira, terminando a semana com ganhos de 3,2 por cento, com expectativas de que uma recuperação da economia chinesa poderá estimular a demanda.

Os preços do aço subiram mais de 12 por cento até agora neste mês, maior ganho mensal em mais de três anos, com os investidores apostando que um recente aumento dos custos de matérias-primas como minério de ferro e uma melhora na perspectiva para a demanda pelo principal consumidor levarão as siderúrgicas a pressionar por preços mais elevados.

O contrato futuro mais ativo do vergalhão de aço na Bolsa de Xangai fechou com alta de 0,46 por cento nesta sexta-feira, a 3.916 iuans (620 dólares) a tonelada na sexta-feira, uma pouco abaixo da máxima de cinco meses, de 3.958 iuans, registrada durante a sessão de quinta-feira.

Alguns analistas, no entanto, recomendam cautela e dizem que a recente alta dos preços do aço foi exagerada.

Enquanto a demanda por aço da China pode prosseguir dadas as aprovações recentes de uma série de projetos de infraestrutura, analistas apontaram que a demanda física ainda apanha para atingir as expectativas e que os preços podem ter subido muito rapidamente.

O minério de ferro subiu para um recorde de vários meses de quase 140 dólares a tonelada na quinta-feira e já ganhou 21 por cento em dezembro, com relatos de queda nos estoques da China, principal importador.

Na sexta-feira, a cotação do minério com 62 por cento de teor de ferro se manteve em 139,4 dólares a tonelada, segundo o índice de referência Steel Index.

Mas os principais compradores chineses se retiraram do mercado nesta semana, depois de terem reabastecido estoques suficientes, disseram operadores, acrescentando que o mais recente aumento no minério de ferro pode ter sido impulsionado por players aproveitando a baixa liquidez na temporada de férias para empurrar os preços para cima.

(Reportagem de Fayen Wong)