Irã afasta aviões estrangeiros durante a exercício naval--mídia

terça-feira, 1 de janeiro de 2013 16:46 BRST
 

DUBAI, 1 Jan (Reuters) - O Irã advertiu e fez recuar aviões estrangeiros de vigilância que tentaram se aproximar de suas forças durante um exercício naval no Estreito de Ormuz, disse um porta-voz militar iraniano nesta terça-feira.

Os exercícios, que começaram na sexta-feira, visam mostrar a capacidade militar do Irã na rota de navegação através da qual passam 40 por cento das exportações mundiais de petróleo marítimo.

Teerã ameaçou bloquear o estreito caso seja atacado militarmente por conta de seu polêmico programa nuclear. Os Estados Unidos disseram que não tolerariam qualquer obstrução do tráfego comercial feito através de Ormuz.

"Até agora, cerca de 30 avisos foram dados a aeronaves de reconhecimento e vigilância de forças extra-regionais que queriam se aproximar da área onde os treinos se desenvolviam", disse o comandante Amir Rastegari à Mehr, agência de notícias semi-oficial.

Ele disse que os aviões haviam sido advertidos a se manter fora do espaço aéreo iraniano e longe do local dos exercícios.

A agência oficial de notícias IRNA citou Rastegari, dizendo que os aviões estrangeiros se afastaram depois que o Irã emitiu avisos, porque estavam com "medo de serem destruídos" pelas forças iranianas.

No domingo, o Irã afirmou que suas forças especiais e unidades de mergulho tinha feito exercícios de defesa dos portos e do litoral contra ataques.

Israel já ameaçou lançar ataques militares contra o programa nuclear do Irã, que muitos no Ocidente temem que seja destinado a desenvolver uma armas nucleares. O Irã diz que só está interessado na geração de energia elétrica e outros projetos pacíficos.

(Reportagem de Zahra Hosseinian)

 
Foto de arquivo do presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad em Hanói, no Vietnã. O Irã advertiu e fez recuar aviões estrangeiros de vigilância que tentaram se aproximar de suas forças durante um exercício naval no Estreito de Ormuz, disse um porta-voz militar iraniano nesta terça-feira. 10/11/2012 REUTERS/Kha