Desemprego na Alemanha sobe, mas continua perto de mínimas

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013 10:00 BRST
 

Por Sarah Marsh

BERLIM, 3 Jan (Reuters) - O número de alemães desempregados subiu pelo nono mês seguido em dezembro, mas permaneceu próximo da mínima pós-reunificação, ampliando os sinais de que a maior economia da Europa continua relativamente incólume à crise da região.

O Escritório do Trabalho informou nesta quinta-feira que o número de pessoas desempregadas aumentou em 3 mil em dados sazonalmente ajustados, para 2,942 milhões. O consenso das previsões em pesquisa da Reuters com 23 economistas era de aumento do desemprego em 10 mil.

A taxa de desemprego ficou estável em 6,9 por cento.

"Apesar da retração econômica, o mercado de trabalho não está sofrendo um colapso", afirmou Stefan Schilbe do HSBC Trinkaus. "As empresas não estão dispostas a demitir trabalhadores qualificados, também em meio ao alto número de vagas em aberto."

"Uma vez que a economia melhore no decorrer do ano, o desemprego também deve cair novamente com um atraso."

A economia alemã resistiu à crise da dívida da zona do euro de três anos até desacelerar no terceiro trimestre do ano passado. Os economistas estimam que o país tenha contraído no quarto trimestre, mas em geral veem a economia escapar de uma recessão antes de melhorar gradualmente durante 2013.

O mercado de trabalho do país, enquanto isso, continua robusto comparado a muitos outros países europeus. Na Espanha, por exemplo, 4,8 milhões de pessoas estavam desempregadas no mês passado, segundo divulgou Madri nesta quinta-feira.

O desemprego atingiu o recorde de 25 por cento no terceiro trimestre do ano passado na quarta maior economia da zona do euro, onde a recessão deve deixar ainda mais pessoas desempregadas.

(Reportagem adicional de Annika Breidthardt)

 
Funcionários da mineradora Bergwerk West deixam palco durante cerimônia de fechamento de mina de carvão na cidade de Kamp-Lintfort, Alemanha. 21/12/2012 REUTERS/Wolfgang Rattay