Fórum de Davos teme mais tempestades, reais e econômicas

terça-feira, 8 de janeiro de 2013 14:28 BRST
 

Por Ben Hirschler

LONDRES, 8 Jan (Reuters) - A combinação de economias frágeis e climas extremos elevou o risco global no ano passado, criando uma mistura cada vez mais perigosa para o mundo, de acordo com o Fórum Econômico Mundial.

Mesmo a Europa evitando uma cisão do euro em 2012 e os Estados Unidos escapando do abismo fiscal, líderes empresariais e acadêmicos temem que os políticos não estejam conseguindo resolver os problemas fundamentais.

Essa é a conclusão do relatório Riscos Globais 2013 do grupo, que entrevistou mais de 1.000 especialistas e chefes industriais e descobriu que eles estavam um pouco mais pessimistas sobre as perspectivas para a próxima década do que um ano atrás.

"Isso reflete uma perda de confiança na liderança de governos", disse Lee Howell, diretor-gerente do FEM, responsável pelo relatório.

Graves diferenças na riqueza e finanças insustentáveis de governos foram vistas como as maiores ameaças econômicas que o mundo enfrenta --como eram em janeiro passado-- e houve um aumento acentuado no foco sobre os perigos do clima severo.

A análise de 80 páginas dos 50 riscos para os próximos 10 anos vem antes da reunião anual do Fórum Econômico Mundial na estância suíça de esqui Davos, de 23 a 27 de janeiro, onde os ricos e poderosos vão ponderar o futuro do planeta.

Reunindo líderes empresariais, políticos e presidentes de bancos centrais, Davos passou a simbolizar o mundo moderno globalizado dominado por empresas multinacionais de sucesso.

Presidentes-executivos que chegam em seus jatos particulares podem ainda esbanjar confiança, mas os "homens de Davos" --e a maioria dos delegados são do sexo masculino-- têm muito com que se preocupar estes dias.   Continuação...