9 de Janeiro de 2013 / às 11:14 / em 5 anos

Índia critica Paquistão após confronto com mortos na Caxemira

Por Ashok Pahalwan

Ativistas da ala jovem do Partido do Congresso indiano gritam palavras de ordem enquanto batem em efígie que representa o Paquistão, durante um protesto na Índia. A Índia criticou duramente o Paquistão devido a um raro confronto armado entre soldados dos países na disputada região da Caxemira. 09/01/2013 REUTERS/Raj Patidar

JAMMU, Índia, 9 Jan (Reuters) - A Índia criticou duramente nesta quarta-feira o Paquistão devido a um raro confronto armado entre soldados dos países na disputada região da Caxemira, em que dois soldados indianos foram mortos, mas o incidente aparentemente não irá se transformar em uma crise diplomática plena.

A Índia convocou o embaixador paquistanês em Nova Délhi para apresentar um protesto pelo confronto de terça-feira, e acusou os soldados do país vizinho de adotarem um comportamento “bárbaro e desumano”. Autoridades indianas disseram que os paquistaneses cruzaram a militarizada Linha de Controle da Caxemira e dispararam contra uma patrulha da Índia.

O corpo de um dos soldados foi achado mutilado em uma mata no lado controlado pela Índia, segundo Rajesh K. Kalia, porta-voz do Comando Norte do Exército indiano. Mas ele negou relatos da imprensa indiana de que um dos corpos teria sido decapitado, e que outro teria tido a garganta cortada.

“Dois soldados indianos foram mortos no ataque, e seus corpos foram submetidos a mutilações bárbaras e desumanas”, disse a chancelaria indiana em nota.

O ministro indiano da Defesa descreveu o incidente como “altamente provocativo”, mas seu colega das Relações Exteriores buscou acalmar a situação, dizendo que o caso não deve prejudicar os atuais esforços de aproximação entre os dois rivais.

“Acho importante no longo prazo que o que aconteceu não seja ampliado”, disse Salman Khurshid em entrevista coletiva.

“Não podemos e não devemos permitir a escalada de qualquer evento prejudicial como este. Precisamos ser cuidadosos para que as forças... que tentam descarrilar todo o bom trabalho que tem sido feito pela normalização (das relações) não tenham sucesso.” Khurshid não explicou a quais forças se referia.

Índia e Paquistão já travaram três guerras desde sua independência, em 1947, sendo duas delas por causa da Caxemira. Ambos os países possuem armas nucleares.

Disparos e pequenas escaramuças são comuns ao longo dos 740 quilômetros da Linha de Controle, apesar de um cessar-fogo e da gradual melhora nas relações. O Exército indiano diz que oito dos seus soldados foram mortos em 75 incidentes ocorridos em 2012.

Mas incursões de qualquer das partes são raras, e uma reportagem da imprensa indiana disse que o incidente de terça-feira --a 600 metros da fronteira “de facto”- marcou “o primeiro grande ingresso” desde o cessar-fogo de 2003.

A Índia considera que toda a região da Caxemira, um cenário de montes nevados e vales férteis, com população majoritariamente muçulmana, pertence a seu território. Já o Paquistão cobra a implementação de uma resolução de 1948 da ONU que estabelece a realização de um plebiscito para que os caxemires decidam a qual país querem pertencer.

Reportagem adicional de Mehreen Zahra-Malik e Katharine Houreld, em Islamabad; e Arup Roychoudhury e Satarupa Bhattacharjya, em Nova Délhi

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below