Ritmo de obras de Belo Monte é normalizado após bloqueio por índios

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013 14:04 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - As obras da usina hidrelétrica Belo Monte, no Pará, estão totalmente normalizadas depois que a Norte Energia, empresa responsável pelo empreendimento, fez um acordo com indígenas que bloqueavam o acesso de trabalhadores a um dos canteiros.

O Consórcio Construtor Belo Monte informou que as obras no canteiro Sítio Pimental --onde atuam cerca de 4 mil trabalhadores e que teve as atividades paralisadas desde segunda-feira-- já ocorrem normalmente na manhã desta quinta-feira.

O acordo fechado entre a Norte Energia e representantes de três aldeias indígenas de etnia Juruna no final da quarta-feira definiu que a empresa irá compensar as perdas sofridas pelos índios durante os meses de novembro e dezembro, "quando a turbidez (cor) da água impediu a prática da captura de peixes artesanais nas aldeias Paquiçamba, Muratu e Furo Seco", informou a empresa em nota. A atividade é uma das principais fontes de renda desses povos.

A Norte Energia informou em nota que as compensações ambientais estão previstas no Projeto Básico Ambiental do componente indígena, documento que determina projetos e ações mitigadoras para a área de influência da construção da barragem.

"Nesse caso (captura de peixes artesanais), nos deparamos com uma situação nova, mas que nem por isso deixou de ser resolvida com respeito e equilíbrio", disse o diretor socioambiental da Norte Energia, Roberto Camilo Oliveira, em nota.

Um contrato foi firmado entre a Norte Energia, seis líderes indígenas, e representante da Fundação Nacional do Índio (Funai), ainda no trecho conhecido como "Travessão" do quilômetro 27 da Transamazônica, onde ocorria o bloqueio. A passagem para o canteiro foi liberada por volta das 18 horas de quarta-feira.

A obra da usina hidrelétrica localizada no rio Xingu já foi paralisada diversas vezes desde o início da construção por protestos de indígenas e de representantes de movimentos sociais e ambientais que cobram o cumprimento das condicionantes acertadas para o projeto.

A usina hidrelétrica Belo Monte terá 11 mil megawatts (MW) de capacidade instalada quando estiver concluída, e a previsão é que entre em operação no início de 2015.

Entre as acionistas da Norte Energia estão Eletrobras e subsidiárias, Cemig, Light, Neoenergia, Funcef e outras.

(Por Anna Flávia Rochas)

 
Policial Federal conversa com indígenas do Amazonas que ocupam o local da hidrelétrica de Belo Monte em protesto contra sua construção, no Pará, em outubro de 2012. As obras da usina hidrelétrica Belo Monte, no Pará, estão totalmente normalizadas depois que a Norte Energia, empresa responsável pelo empreendimento, fez um acordo com indígenas que bloqueavam o acesso de trabalhadores a um dos canteiros. 12/10/2012 REUTERS/Lunae Parracho