"Che" venezuelano reza por recuperação do herói Chávez

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013 16:02 BRST
 

Por Andrew Cawthorne

CARACAS, 10 Jan (Reuters) - Um sósia extravagante do herói revolucionário latino-americano Ernesto "Che" Guevara tem sido durante anos uma visão familiar pelas ruas da Venezuela angariando apoio para seu outro herói socialista, o presidente Hugo Chávez.

No entanto, Humberto López, de 54 anos, tem se mostrado uma figura mais contida estes dias, enquanto espera e reza por notícias melhores vindas de Cuba, onde Chávez está lutando para se recuperar de uma cirurgia contra o câncer.

"Todos os dias depois que acordo, eu acendo uma vela para ele", disse o barbudo López, fumando um charuto e ajustando uma boina ao estilo Che, em frente a um santuário para Chávez em sua casa.

"Eu amo o Chávez. É simples assim. Ele não é apenas um homem ou um líder, ele é a esperança dos pobres e despossuídos do mundo, o coração da pátria. Quando o coração está sangrando, como posso ser feliz?".

Embora visto por muitos como uma espécie de caricatura quando desfila nas ruas, López é um ativista militante que admite ter participado de vários atos de violência durante os turbulentos 14 anos de governo de Chávez.

Ele carrega uma faca amarrada ao tornozelo, mostra um ferimento de bala e outras lesões e desfia detalhes de seu envolvimento em alguns dos eventos mais dramáticos no passado recente da Venezuela -- atacar a mídia de oposição, infiltrar-se em protestos, defender Chávez durante um breve golpe em 2002.

Sua tristeza sobre a saúde frágil de Chávez espelha os sentimentos de milhões de partidários fanáticos do presidente entre os pobres da Venezuela, que o veem praticamente como um messias e têm dificuldades de contemplar um fim ao seu governo.

Suas visões sobre o futuro refletem as de um radical, que acredita que o "comandante" é simplesmente insubstituível.   Continuação...

 
Sósia do herói revolucionário latino-americano Ernesto "Che" Guevara, Humberto López, tem sido durante anos uma visão familiar pelas ruas da Venezuela. López angaria apoio para seu outro herói socialista, o presidente Hugo Chávez. 08/01/2013 REUTERS/Carlos Garcia Rawlins