Manifestantes seguem para Paris para protestar contra casamento gay

domingo, 13 de janeiro de 2013 10:10 BRST
 

PARIS, 13 Jan (Reuters) - Trens, ônibus e carros chegaram a Paris no domingo levando manifestantes de toda a França para um protesto maciço contra o casamento gay, uma reforma polêmica que o presidente François Hollande prometeu executar até junho.

Cinco trens de alta velocidade, 900 ônibus e inúmeros comboios de carros deixaram cidades na província, muitos antes do amanhecer, em direção a três pontos da capital francesa para as marchas, que devem convergir para a Torre Eiffel no final da tarde.

Fortemente apoiados pela hierarquia católica, ativistas mobilizaram uma coalizão híbrida de famílias religiosas, políticos conservadores, muçulmanos, evangélicos e até mesmo homossexuais que se opõem ao casamento gay para a demonstração de força.

"Queremos que esse projeto de lei seja derrubado", disse Patricia Soullier, organizadora do protesto, à BFM-TV antes de entrar em um trem em Montpellier, no sul da França, que seguia para Paris.

Várias centenas devem marchar debaixo de forte frio contra a reforma, prometida por Hollande durante sua campanha eleitoral. Ele tem votos suficientes no Parlamento para aprová-la facilmente.

O presidente enfureceu muitos opositores ao tentar passar a reforma no Parlamento sem muito debate público e vacilou sobre alguns detalhes da reforma.

O modo desajeitado como lidou com outras promessas, como o imposto de 75 por cento sobre os ricos que foi decretado inconstitucional, ou sua luta vacilante contra o desemprego crescente, azedou o humor do público. Um grande protesto agora não vai ajudar sua imagem.

Casamentos do mesmo sexo são legalizados em 11 países, inclusive Bélgica, Portugal, Holanda, Espanha, Suécia, Noruega e África do Sul, assim como em nove Estados norte-americanos, além da capital dos EUA.