BC do Japão alerta para cenário de enfraquecimento econômico

terça-feira, 15 de janeiro de 2013 09:16 BRST
 

TÓQUIO, 15 Jan (Reuters) - O presidente do Banco do Japão (banco central do país), Masaaki Shirakawa, disse que a instituição vai manter a forte flexibilização monetária enquanto a economia se mantiver fraca, elevando expectativas de que expansão dos estímulos novamente este mês.

O primeiro-ministro Shinzo Abe manteve a pressão sobre o banco central, repetindo o apelo por um afrouxamento monetário mais ousado em conversas com assessores econômicos nesta terça-feira. A autoridade monetária reúne-se na próxima semana para definir sua política.

Shirakawa mantém visão do banco central de que a economia vai, eventualmente, retomar uma recuperação moderada enquanto o crescimento no exterior gradualmente emerge de uma desaceleração, ajudado em parte por uma resistência na demanda doméstica.

Mas ele alertou que a previsão mantém uma alta incerteza, apontando para os riscos como uma contínua desaceleração no crescimento do exterior e uma disputa diplomática com a China que prejudicou as vendas em um dos maiores mercados de exportação.

"As exportações e a produção industrial estão em queda enquanto o crescimento econômico continua lento", disse o presidente durante uma reunião trimestral de gerentes das filiais regionais do banco central nesta terça-feira.

O Banco do Japão está sob intensa pressão de Abe para agir contra a deflação.

O banco central, que afrouxou a política cinco vezes em 2012, considera expandir os estímulos novamente e dobrar sua meta de inflação para 2 por cento na revisão da taxa marcada para 21 e 22 de janeiro, disseram fontes à Reuters.

Expectativas de uma nova flexibilização enfraqueceram o iene e influenciaram o índice Nikkei, que atingiu uma máxima de 32 meses nesta terça-feira.

Mas o ministro da Economia, Akira Amari, alertou que um enfraquecimento excessivo do iene poderia ter suas desvantagens ao impulsionar os custos das importações.

"O iene em queda é bom para as exportações, mas uma fraqueza excessiva afeta os preços das importações e pode ter um efeito negativo sobre a vida das pessoas", disse Amari.

(Por Leika Kihara)

 
Banco central do Japão enfrenta pressão do primeiro-ministro Shinzo Abe para afrouxar ainda mais a política monetária. 25/11/2009 REUTERS/Yuriko Nakao