Militante islâmico veterano reivindica autoria de ataque na Argélia para Al Qaeda

domingo, 20 de janeiro de 2013 17:41 BRST
 

Por Lamine Chikhi e Abdelaziz Boumzar

ARGEL/IN AMENAS, Argélia, 20 Jan (Reuters) - Um veterano combatente islâmico reivindicou a autoria em nome da Al Qaeda pela crise de reféns argelina, divulgou um site regional neste domingo, ligando o cerco sangrento no deserto à intervenção francesa no Mali.

A Argélia disse que o número preliminar de mortos no cerco de quatro dias em um complexo de gás no Saara, de 23 reféns e 32 militantes, iria aumentar. Anunciou também neste domingo que havia capturado cinco militantes vivos.

Governos ocidentais, cujos cidadãos morreram ou estão desaparecidos, evitaram criticar as táticas usadas por seu aliado na luta com islamistas no vasto deserto.

"Nós na Al Qaeda anunciamos essa operação abençoada", disse o guerrilheiro Mokhtar Belmokhtar em um vídeo, segundo o site Sahara Media, que citou da gravação, mas não a mostrou.

"Estamos prontos para negociar com o Ocidente e o governo argelino assim que eles pararem o bombardeio de muçulmanos no Mali", disse Belmokhtar, um veterano de duas décadas de guerra no Afeganistão e no Saara.

Os combatentes de Belmokhtar lançaram o ataque contra o complexo de gás de In Amenas antes do amanhecer de quarta-feira, apenas cinco dias depois que caças franceses inesperadamente começaram os ataques para parar o avanço de islamistas no vizinho Mali.

Autoridades europeias e norte-americanas disseram que o ataque foi certamente muito elaborado para ter sido planejado desde o início da campanha francesa, embora a ação militar de Paris possa ter fornecido um gatilho para um ataque preparado com antecedência.

"Tínhamos cerca de 40 jihadistas, a maioria deles de países islâmicos e alguns até mesmo do Ocidente", disse Belmokhtar segundo a Sahara Media. Autoridades argelinas dizem que o grupo de Belmokhtar estava por trás do ataque, mas que ele não estava presente.   Continuação...

 
Militante Mokhtar Belmokhtar reivindicou a autoria do sequestro em uma planta de gás da Argéilia. Veterano exigiu que França suspenda operação militar no Mali. 20/01/2013 REUTERS/Louafi Larbi