21 de Janeiro de 2013 / às 10:58 / em 5 anos

Argélia encontra corpos de militantes canadenses; sobe número de mortos

Número de mortos em ataque à planta de gás na Argélia sobe e chega a quase 60. Primeiro-ministro do país deve conceder entrevista coletiva sobre o atentado nesta segunda-feira. 20/01/2013Louafi Larbi

Por Lamine Chikhi

ARGEL, 21 Jan (Reuters) - Forças argelinas encontraram corpos de dois combatentes islamitas canadenses, depois de um sangrento cerco a um complexo de exploração de gás no deserto, informou uma fonte da segurança na segunda-feira, cujo número de mortos chegava a pelo menos 80, depois de tropas invadirem o local para colocar fim ao sequestro.

O primeiro-ministro argelino, Abdelmalek Sellal, deve realizar na segunda-feira uma entrevista coletiva na cidade de Amenas para dar detalhes sobre o sequestro cometido por militantes ligados à Al Qaeda, que capturaram trabalhadores norte-americanos, britânicos, franceses, japoneses, noruegueses, filipinos e romenos, numa das piores crises internacionais com reféns nas últimas décadas no mundo.

A fonte na força de segurança argelina disse à Reuters que os documentos encontrados com os corpos dos dois militantes os identificavam como canadenses, à medida que soldados vasculhavam a fábrica, depois do final sangrento da crise no sábado.

O número de mortos voltou a subir na segunda-feira, quando uma fonte do governo japonês relatou que a Argélia informou a Tóquio que nove japoneses estavam entre as vítimas fatais, maior grupo entre os estrangeiros na usina.

Seis filipinos morreram e quatro ficaram feridos, informou um porta-voz em Manila.

O veterano militante islâmico Mokhtar Belmokhtar, que é cego de um olho, assumiu a autoria do ataque, em nome da Al Qaeda e uma autoridade argelina informou que dentre os militantes haviam pessoas de fora do continente africano, além de árabes e africanos.

"Nós, da Al Qaeda, anunciamos essa abençoada operação", disse ele em um vídeo, segundo o site regional Sahara Media. Ele disse que cerca de 40 militantes participaram da operação, cifra semelhante à citada pelo governo como sendo o número de sequestradores mortos ou presos.

Uma fonte de segurança disse no domingo que soldados argelinos encontraram os corpos de 25 reféns, elevando a 48 o total de cativos mortos, e a pelo menos 80 o total de vítimas fatais do incidente. Essa fonte disse que seis militantes foram capturados vivos, e que militares estão procurando outros.

Os sequestradores, que iniciaram a operação na madrugada da quarta-feira passada, exigiam o fim da intervenção militar francesa no vizinho Mali, que havia começado cinco dias antes. Fontes oficiais dos EUA e Europa, no entanto, acreditam que a operação havia sido planejada com bem mais antecedência.

A situação se tornou sangrenta no dia seguinte, quando o Exército argelino abriu fogo contra sequestradores que tentavam fugir com reféns.

Quase 700 trabalhadores argelinos e mais de cem estrangeiros fugiram, principalmente na quinta-feira, quando os combatentes foram expulsos da ala residencial da usina. Alguns militantes continuaram entrincheirados até sábado dentro do complexo industrial, quando foram finalmente dominados.

A ação abalou as relações da Argélia com seus aliados ocidentais, entre os quais alguns se queixam de não terem sido informados com antecedência da decisão de invadir a usina. França e Grã-Bretanha, no entanto, defenderam a operação militar argelina.

Outros estrangeiros mortos na operação incluem três britânicos, um norte-americano e dois romenos. Ainda estão desaparecidos cinco noruegueses, três britânicos e um estrangeiro residente na Grã-Bretanha.

A fonte de segurança disse que há pelo menos um francês entre os mortos.

Reportagem adicional de Anton Slodkowski em Tóquio, Balazs Koranyi em Oslo, Estelle Shirbon e David Alexander em Londres, Brian Love em Paris e Daniel Flynn em Dacar

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below