Egito declara emergência após mortes em protestos

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013 11:38 BRST
 

Por Edmund Blair e Yasmine Saleh

CAIRO, 28 Jan (Reuters) - O presidente do Egito, Mohamed Mursi, decretou estado de emergência durante um mês em três cidades do canal de Suez, onde dezenas de pessoas foram mortas em protestos que varreram o país e agravaram a crise política que acua o líder islâmico.

Centenas de manifestantes em Port Said, Suez e Ismailia se voltaram contra a decisão depois de ouvirem o anúncio de Mursi na noite de domingo, em reação a incidentes que deixaram 49 mortos desde a semana passada.

A situação é mais grave em Port Said, onde 40 pessoas morreram em dois dias. Os distúrbios foram desencadeados no sábado pela condenação à morte de várias pessoas da cidade por ligação com um letal tumulto num estádio de futebol no ano passado. No domingo, participantes de funerais na cidade, onde armas são comuns, voltaram sua ira contra Mursi.

A violência nas cidades egípcias já chega ao quinto dia. A polícia voltou a usar gás lacrimogêneo contra dezenas de jovens que atiravam pedras na manhã de segunda-feira na praça Tahrir, no Cairo, onde há semanas estão acampados manifestantes que acusam Mursi de trair a revolução que derrubou o regime de Hosni Mubarak, há dois anos.

"Queremos derrubar o regime e acabar com o Estado que é gerido pela Irmandade Muçulmana", disse o cozinheiro Ibrahim Eissa, de 26 anos, que protegia o rosto do gás lacrimogêneo que pairava na praça Tahrir, epicentro da revolta de 2011.

Mursi, ligado à Irmandade Muçulmana, prometeu "confrontar qualquer ameaça à segurança com força e firmeza, dentro do que permite a lei".

Num apelo aos oponentes laicos e liberais, ele convocou um diálogo nacional para segunda-feira às 18h (14h em Brasília), incluindo também aliados islâmicos.

A Frente de Salvação Nacional, principal grupo de oposição, disse que vai se reunir na segunda-feira para discutir a oferta. Mas alguns opositores já sinalizaram que não esperam muito da reunião, que pode ficar esvaziada.   Continuação...

 
Manifestantes contrários ao presidente Mohamed Mursi fogem de gás lacrimogêneo disparado pela polícia de choque durante confrontos perto da Praça Tahrir, no Cairo. Mursi decretou estado de emergência durante um mês em três cidades do canal de Suez, onde dezenas de pessoas foram mortas em protestos que varreram o país e agravaram a crise política que acua o líder islâmico. 27/01/2013 REUTERS/Amr Abdallah Dalsh