Defensoria pública gaúcha pede bloqueio de bens de donos de boate

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013 20:40 BRST
 

Por Ana Flor

SANTA MARIA, 28 Jan (Reuters) - A Defensoria Pública do Rio Grande do Sul entrou no início da noite desta segunda-feira com um pedido de bloqueio de bens dos proprietários da boate Kiss, onde 231 pessoas, a maioria jovens, morreram em um incêndio no domingo.

O pedido da defensoria vem no mesmo dia em que os dois proprietários da boate foram detidos temporariamente junto a dois integrantes da banda que se apresentava no local no momento da tragédia.

A Polícia Civil do Estado disse que foi o acionamento de um sinalizador por um dos integrantes da banda Gurizada Fandangueira que provocou o incêndio.

Segundo o defensor público geral do Estado Nilton Arnecke Maria, o órgão estuda também entrar nos próximos dias com uma ação indenizatória coletiva contra os donos da boate e, talvez, contra o poder público.

"Se houve negligência, a ação poderá envolver também o município e o Estado", disse ele.

Também nesta segunda-feira, a polícia disse que as investigações apontam, além do sinalizador como causa do incêndio, que a porta da boate dificultou a saída das pessoas que tentavam escapar.

"O panorama probatório é esse. Que o local tenha se queimado em razão do sinalizador e que as portas não tenham dado vazão para a saída das pessoas que estavam lá dentro", disse o delegado Marcelo Arigone.

A polícia deteve nesta segunda-feira os dois proprietários da boate --Elisandro Spohr, que está internado em uma clínica na cidade de Cruz Alta, e Mauro Hoffmann-- além de dois integrantes da banda --Luciano Augusto Bonilha Leão e Marcelo de Jesus dos Santos Neto.   Continuação...

 
Vista do exterior da boate Kiss, na cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, onde ocorreu um forte incêndio. A polícia do RS já ouviu cerca de 20 testemunhas do incêndio que matou 231 pessoas no domingo, e agora se concentrará completamente nos esforços de investigação da tragédia. 27/01/2013 REUTERS/Edison Vara