Banda usou sinalizador para ambiente externo em boate do RS

terça-feira, 29 de janeiro de 2013 21:44 BRST
 

Por Ana Flor

SANTA MARIA, 29 Jan (Reuters) - O sinalizador usado durante um show na boate que pegou fogo matando 235 pessoas em Santa Maria não era para uso interno, disse a polícia nesta terça-feira, mesmo dia em que autoridades revisaram o número de mortos na tragédia e em que familiares das vítimas fizeram uma manifestação responsabilizando agentes públicos pelo desastre.

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul disse ter chegado à loja na qual integrantes da banda Gurizada Fandangueira compraram o sinalizador para ser usado na apresentação na boate Kiss e comprovou que o artefato era apenas para uso externo, e não em ambientes fechados.

A escolha se deu, de acordo com a polícia, por conta da diferença de preço. Enquanto o valor do artefato externo era de 2,50 reais, o sinalizador adequado para uso interno custava 70 reais.

A investigação encontrou uma série de outras irregularidades, como alvarás vencidos, extintores falsificados ou vencidos, o tamanho pequeno da porta do estabelecimento e a superlotação.

"Nós vamos provar que eles tinham mais gente do que deveriam. Não sei como, mas nós vamos provar", disse o delegado Marcelo Arigony, responsável pelo inquérito policial, em entrevista coletiva. "Por tudo o que eu digo, qualquer criança vê que a casa não tinha condições de funcionar".

A entrevista coletiva chegou a ser interrompida por cerca de 100 manifestantes, entre parentes e amigos das vítimas da tragédia, que pediram em cartazes o impeachment do prefeito de Santa Maria, Cezar Schirmer (PMDB), e chamaram ele e o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), de "omissos".

"Não foi uma fatalidade", disse um dos manifestantes usando um megafone.

Os familiares das vítimas de Santa Maria lembraram um incêndio semelhante ocorrido em uma boate na Argentina que matou quase 200 pessoas em 2004 e que levou à destituição do então prefeito de Buenos Aires.   Continuação...