Justiça prorroga por 30 dias prisão de envolvidos em incêndio em Santa Maria

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013 15:03 BRST
 

SÃO PAULO, 1 Fev (Reuters) - A Justiça do Rio Grande do Sul prorrogou nesta sexta-feira por 30 dias a prisão temporária dos dois donos da boate Kiss, que pegou fogo no último domingo matando 236 pessoas, e de dois integrantes da banda que tocava no local no momento da tragédia.

O juiz Regis Adil Bertolin acatou o pedido da Polícia Civil para que Elissandro Callegaro Spohr e Mauro Hoffman --donos da boate--, o vocalista Marcelo de Jesus dos Santos e o produtor Luciano Augusto Bonilha Leão seguissem detidos por entender que os quatro podem ter participado da causa do incêndio, assumindo risco de provocar as mortes.

O incêndio na casa noturna começou na madrugada de domingo, segundo a polícia, quando um sinalizador foi acionado por um dos integrantes da banda Gurizada Fandangueira, que se apresentava no local.

Um faísca do artefato entrou em contato com o revestimento acústico do teto da boate, que pegou fogo e liberou uma fumaça tóxica que causou a maioria dos mortes por asfixia. A maior parte dos mortos eram jovens em idade universitária.

Durante as investigações, a polícia também afirmou ter encontrado uma série de irregularidades na boate, como superlotação e portas inadequadas para o número de pessoas que a casa recebia naquele momento.

Segundo nota no site do Tribunal de Justiça gaúcho, Bertolin apontou declarações apontando que Hoffmann acompanhava e sabia o que se passava na Kiss e que Spohr, segundo depoimento de uma funcionária da casa, não tinha os cuidados com a segurança da boate e não controlava sua lotação.

Sobre os membros da banda, o magistrado mencionou depoimento do dono da loja de fogos de artifício onde o sinalizador foi comprado afirmando ter alertado Bonilha que aquele artefato não era adequado para ambientes fechados.

Já sobre o vocalista da banda, o juiz citou que testemunhas disseram que ele não alertou o público do que estava acontencendo quando o incêndio começou, o que agravou a tragédia.

Cinco dias depois da tragédia, 124 pessoas ainda estão internadas em hospitais de todo o Estado. Dessas, 64 respiram com ajuda de aparelhos.

Autoridades de saúde alertaram as pessoas que tiveram contato com a fumaça tóxica na boate que busquem serviços médicos, já que a pneumonite química, resultado da inalação da fumaça tóxica, pode ser manifestar até uma semana depois da tragédia.

(Reportagem de Eduardo Simões)

 
Foto do interior da boate Kiss, em Santa Maria, que foi devastada por um incêndio que vitimou 236 pessoas. A Justiça do Rio Grande do Sul prorrogou nesta sexta-feira por 30 dias a prisão temporária dos dois donos da boate Kiss, que pegou fogo no último domingo matando 236 pessoas, e de dois integrantes da banda que tocava no local no momento da tragédia. 29/01/2013 REUTERS/Policia Civil/Handout