ENTREVISTA-Governo não permitirá dólar a R$1,85, diz Mantega

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013 07:18 BRST
 

Por Alonso Soto e Luciana Otoni

BRASÍLIA, 7 Fev (Reuters) - O governo brasileiro não permitirá que o dólar volte a ser cotado a 1,85 real e intervirá no mercado caso seja necessário, assegurou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em entrevista exclusiva à Reuters nesta quinta-feira.

"O ideal é que não houvesse intervenção, mas isso é sonho. Agora, se houver de novo uma tendência especulativa, se o pessoal se animar: 'vamos puxar esse câmbio para 1,85', aí estaremos de novo intervindo", disse o ministro.

Entre as medidas que o governo poderia tomar, Mantega citou a elevação do Imposto sobre Operações Financeira (IOF) nas operações de ingresso de moeda estrangeira no país e a compra de dólares no mercado.

"Se houver tendência especulativa, aumentaremos a intervenção: posso comprar mais reservas e posso reconstituir os IOFs (que foram reduzidos)", disse, acrescentando que o dólar está flutuando em uma faixa adequada.

O dólar rompeu no final de janeiro o piso de uma banda informal de 2,00 a 2,10 reais que vigorou durante boa parte de 2012, e o mercado interpretou esse movimento como um sinal de preocupação com a inflação. Desde então, o dólar tem ficado em torno de 1,98 reais.

"O câmbio está flutuando mais ao sabor do mercado. Flutua sem causar prejuízo ao exportador, não está causando prejuízo ao importador de máquinas e equipamentos. O câmbio encontrou faixa de flutuação razoável", avaliou o ministro.

OPINIÕES DIVERGENTES

Mantega reforçou que o governo não irá utilizar o câmbio para conter a inflação, e se mostrou otimista em relação à variação dos preços.   Continuação...

 
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, concede entrevista à Reuters, em Brasília, nesta quinta-feira. 07/02/2013 REUTERS/Ueslei Marcelino