8 de Fevereiro de 2013 / às 21:44 / em 5 anos

ANÁLISE-Mercado aguarda novas aquisições no setor de farmácias

Por Juliana Schincariol

RIO DE JANEIRO, 8 Fev (Reuters) - A entrada de um concorrente internacional de peso no varejo farmacêutico acirra a briga por espaço num mercado de forte expansão e alimenta as expectativas de mais consolidação no setor, que movimentou no ano passado quase 50 bilhões de reais.

O anúncio, na quarta-feira, da compra da rede Onofre pela norte-americana CVS Caremark, deu sequência a um ciclo de fusões iniciado em 2011 e que está mudando a cara de um setor fragmentado e comandado por empresas familiares.

O que muda é o jogo de forças. Raia Drogasil, que assumiu a liderança do setor em 2011, após a união de Raia e Drogasil, e Drogaria São Paulo, vice-líder após comprar a rede Drogão e se associar à Pacheco, têm pela frente a concorrência do maior grupo de varejo farmacêutico e serviços de saúde dos Estados Unidos.

“A CVS tem alto potencial de investimento e deve representar uma séria ameaça do ponto de vista competitivo”, disseram Andrea Teixeira e Pedro Leduc, analistas do JP Morgan, em relatório.

A visão de analistas é de que novos movimentos ainda maiores da gigante americana no Brasil podem vir a seguir.

“Se a CVS optar por crescer através de fusões e aquisições, conforme indicado pela administração, e decidir se tornar relevante no país, ela provavelmente teria que comprar um participante de importância”, disse a analista Juliana Rozenbaum, do Itaú BBA.

Segundo outro analista, que pediu anonimato, um novo movimento poderia vir com a compra pela CVS da Brazil Pharma, grupo controlado pelo BTG Pactual, que tem sócios regionais como minoritários.

A holding Brazil Pharma opera uma rede de 681 drogarias, por meio de suas operações próprias, além de 369 lojas das franquias Farmais, segundo dados do terceiro trimestre.

Mas uma possível grande aquisição não seria para já. A CVS deve primeiro entender o mercado brasileiro, enquanto os outros grandes concorrentes passam por processos internos, com Raia Drogasil, Drogaria São Paulo e Brazil Pharma mais preocupadas com integração de ativos e ganho de sinergias.

Profissionais do setor vêem como potenciais alvos de aquisição nomes como a mineira Araújo e a cearense Pague Menos, que em outubro adiou seus planos de realizar oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

EXPECTATIVA DE CRESCIMENTO

Além das chances de consolidação no setor, a perspectivas de crescimento são muito atraentes para participantes do mercado, em meio ao aumento da renda das famílias e fortalecimento da classe média.

O números da entidade que representa o setor lastreiam o otimismo. A Abrafarma diz que o segmento deve dobrar de tamanho em faturamento em cinco anos, para 90 bilhões de reais ao ano. O ramo teve faturamento em 2012 de 49 bilhões de reais, ante 24 bilhões de reais cinco anos antes.

Os altos múltiplos ---relação entre preço da empresa e lucro --das recentes operações realizadas no país e o valor com que Brazil Pharma e Raia Drogasil são negociadas em bolsa refletem essa expectativa, segundo o sócio da consultoria Deal Maker, Marcos Mellao.

“Há uma visão de crescimento agressivo. Pelo menos a crença de um crescimento importante”, disse.

As empresas do setor na BM&FBovespa tiveram em 2012 um dos melhores resultados da bolsa paulista, com a ação da Brazil Pharma subindo 69,6 por cento, enquanto a da Raia Drogasil teve ganho de 79 por cento, enquanto o Ibovespa teve alta de 7,4 por cento.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below