Ataque no Sudão do Sul deixa mais de 100 mortos

domingo, 10 de fevereiro de 2013 14:23 BRST
 

Por Hereward Holland

JUBA, SUDÃO DO SUL, 10 de Fev (Reuters) - Mais de 100 pessoas foram mortas no Sudão do Sul num ataque de rebeldes e aliados étnicos a um comboio de famílias de uma tribo rival e seu gado, disse uma autoridade neste domingo.

Desde que se separou do Sudão em 2011, o Sudão do Sul, produtor de petróleo, enfrentou dificuldades para exercer controle sobre territórios remotos inundados por armas após uma guerra com o norte e despedaçados por rivalidades étnicas.

O ataque na sexta-feira foi a pior demonstração de violência no estado de Jonglei desde que 900 pessoas foram mortas no local em ataques tribais ligados a disputas por gado em 2011, disse a Organização das Nações Unidas (ONU).

Rebeldes ligados ao ex-estudante de teologia David Yau Yau e membros da comunidade Murle mataram 103 pessoas, a maioria das quais eram mulheres ou crianças, na emboscada a famílias de etnia Lou Nuer, disse o governador do estado, Kuol Manyang.

"Eles foram atacados por pessoas em grande força", disse ele à Reuters. "Muitas crianças e mulheres estão desaparecidas. Seu destino ainda não é conhecido".

Catorze soldados que escoltavam o comboio também foram mortos, disse ele.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha disse ter enviado uma equipe médica para tratar os feridos.

Yau Yau rebelou-se em julho do ano passado. Ele recrutou jovens armados antagonizados por uma campanha do governo para dar fim à violência tribal em Jonglei, que segundo grupos de direitos humanos, era marcada por abusos de soldados.   Continuação...