CNBB espera que 1a visita do novo papa seja a jornada no Rio

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013 12:45 BRST
 

SÃO PAULO, 11 Fev (Reuters) - A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) espera que a primeira viagem internacional do novo papa seja ao Rio de Janeiro, durante a Jornada Mundial da Juventude este ano, disse o secretário-geral da instituição, dom Leonardo Ulrich Steiner, nesta segunda-feira.

Segundo dom Leonardo, os preparativos para o evento devem continuar normalmente apesar do anúncio da renúncia de Bento 16, e será "uma honra e uma alegria receber o novo papa em sua primeira visita ao exterior."

"Vamos rezar para ter a presença do novo santo padre na Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro", disse o religioso em entrevista à Reuters.

A Jornada Mundial da Juventude, organizada pela primeira vez em 1985 pelo papa João Paulo 2º, deve reunir milhões católicos, sobretudo jovens, de 23 a 28 de julho no Rio de Janeiro.

Sobre a renúncia de Bento 16, anunciada nesta segunda-feira, dom Leonardo disse que, apesar de receber a notícia com surpresa, uma recente visita do papa ao túmulo de Celestino V, o último papa a renunciar, em 1294, já havia levantado dúvidas.

"Quando ficamos sabendo da visita, ficamos nos perguntando se havia uma surpresa. Sobre a renúncia em si, acho que o santo padre agiu de maneira consciente. O motivo, de não ter forças, é válido", disse dom Leonardo.

O papa Bento 16 surpreendeu o mundo ao dizer que irá renunciar como líder da Igreja Católica em 28 de fevereiro por não ter mais as forças necessárias para realizar os deveres de seu ofício, tornando-se o primeiro pontífice desde a Idade Média a tomar decisão deste tipo.

Em entrevista coletiva, o arcebispo do Rio de Janeiro, dom Orani Tempesta, disse que "os trabalhos da Jornada Mundial da Juventude continuam da mesma forma como estavam sendo preparados", acrescentando que também espera a visita do novo papa durante o evento.

"Às vezes falando com ele, ele sempre dizia que os papas sempre vêm às jornadas, dizendo inclusive que ele ou o seu sucessor viriam", disse o arcebispo.

(Reportagem de Laiz de Souza)