Cardeal diz que é possível que papa seja da América Latina ou da África

domingo, 17 de fevereiro de 2013 17:15 BRT
 

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO, 17 Fev (Reuters) - O cardeal Kurt Koch, assessor próximo do papa Bento 16 que vai participar da votação para eleger o próximo líder da Igreja Católica Romana, disse que não há motivos que impeçam que o novo pontífice seja africano ou latino-americano.

Koch, chefe do departamento do Vaticano que trata da unidade cristã e das relações com os judeus, também afirmou que não tinha dúvidas que o papa Bento 16 renunciaria ao invés de governar até a morte, e disse que os próximos papas têm liberdade para fazer a mesma coisa.

"Os desafios da Igreja no mundo são muito diferentes em diferentes continentes: na África, na Ásia e na América Latina. A questão é "onde os desafios serão maiores, em qual continente, deve ser um papa para, acima de tudo, a América Latina, para a África...," disse Koch à Reuters durante uma entrevista.

"Imagino que seja possível dar um passo em direção a um papa negro, um papa africano ou um papa latino-americano. Posso imaginar isso."

Koch, de 62 anos, um suíço de fala mansa, será um dos 117 cardeais com idade inferior a 80 anos que podem participar do conclave secreto para eleger o próximo papa, que está previsto para começar em meados de março.

Tem havido muita especulação na Igreja sobre se o homem que será o sucessor de Bento 16 deve ser um não-europeu, e que seria o primeiro em mais de um milênio.

Enquanto a Igreja na Europa é polarizada e suas congregações têm diminuído, a Igreja na África está crescendo e na América Latina continua a ser grande e forte, apesar do crescimento dos grupos evangélicos protestantes.

Existem diversos fortes candidatos de fora do Velho Continente.   Continuação...