Candidato conservador do Chipre vence 1o turno da eleição presidencial

domingo, 17 de fevereiro de 2013 18:24 BRT
 

Por Michele Kambas e Deepa Babington

NICÓSIA, 17 Fev (Reuters) - O líder conservador Nicos Anastasiades ganhou com facilidade o primeiro turno da eleição presidencial no Chipre, mas não conseguiu evitar um segundo turno, refletindo as profundas divisões entre os cipriotas sobre um acordo de resgate para salvar a ilha da falência.

Um colapso financeiro no Chipre poderia reacender a crise da dívida na zona do euro, e os investidores estão ansiosos para ver Anastasiades, o mais forte defensor de um resgate internacional, conquistar a vitória e garantir um socorro financeiro, embora isso também tenha seus inconvenientes.

Analistas dizem que o advogado de 66 anos provavelmente será o vencedor do segundo turno no dia 24 de fevereiro, mas que o resultado combinado de seus dois principais rivais que fizeram campanha contra a austeridade, mostrava o tamanho da ira contra o resgate no país.

"Essa é uma vitória para as forças que querem que sigamos em frente", disse Anastasiades, depois que os resultados foram divulgados.

Anastasiades, um advogado que lidera o partido Democrático desde 1997, garantiu uma parcela de 45,4 por cento dos votos, bem à frente do esquerdista Stavros Malas, que ficou com 26,9 por cento dos votos. George Lilikas, um candidato independente, teve 24,9 por cento de votos.

"Esse resultado significa que os cipriotas ainda não decidiram se Anastasiades é o homem certo para tirá-los da crise. Vai ser um segundo turno difícil", disse Fiona Mullen, economista da firma de consultoria Sapienta.

"Isso faz com que seja um pouco mais difícil Anastasiades convencer os lideres da União Europeia (UE) que Chipre está no caminho certo e que eles farão o que for preciso para obter o resgate."

Se for bem sucedido no segundo turno, Anastasiades enfrentará muitos desafios para convencer a UE e o Fundo Monetário Internacional a assinarem o acordo de resgate antes que o pequeno país tenha que pagar 1,4 bilhão de euros em junho.