Portuários invadem navio chinês em protesto contra MP dos portos

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013 15:56 BRT
 

Por Gustavo Bonato e Reese Ewing

SÃO PAULO, 18 Fev (Reuters) - Trabalhadores portuários invadiram nesta segunda-feira um navio chinês atracado no porto de Santos, em protesto contra os planos do governo de alterar o sistema de concessões de terminais nos portos brasileiros.

Os sindicalistas argumentam que as mudanças propostas pelo governo vão fragilizar as relações de trabalho da categoria e ameaçam com greves generalizadas nos portos do país, no momento em que se inicia o escoamento da safra brasileira de grãos e de açúcar. O Executivo, por sua vez, afirma que o impacto das mudanças para a categoria será mínimo.

Os trabalhadores entraram no navio Zhen Hua 10 no início da manhã, quando estavam sendo descarregados guindastes que serão usados no terminal privado de contêineres Embraport, controlado pelo Odebrecht, pela trader Coimex e pela DP World, dos Emirados Árabes.

Embraport é um dos poucos terminais privados no país, onde a maioria dos terminais portuários é publico.

"Os trabalhadores ocuparam o navio chinês para parar o descarregamento, como largada do protesto contra a Medida Provisória 595. Eu vou conversar com eles para resolver isso", disse à Reuters o deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), presidente da Força Sindical.

O governo planeja atrair 54,2 bilhões de reais em investimentos do setor público e privado para modernizar os portos brasileiros e reduzir o custo do frete no país.

Segundo os sindicalistas, a Medida Provisória 595, que estabelece as mudanças no setor, fragiliza as relações trabalhistas, ao flexibilizar as exigências feitas para empresas que vierem a operar nas áreas de portos públicos.

Os trabalhadores reclamam que a MP derruba a exigência de contratação de trabalhadores avulsos (sem vínculos com as empresas) por meio do Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo) --entidade que organiza a fila de trabalhadores escalados para o trabalho.   Continuação...