Brasil e Rússia acertam compra de até seis baterias antiaéreas

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 17:21 BRT
 

BRASÍLIA, 20 Fev (Reuters) - O Brasil e a Rússia assinaram nesta quarta-feira, em Brasília, uma cooperação na área de defesa antiaérea que deve resultar na compra, pelo Brasil, de cinco a seis baterias antiaéreas russas sob a condição da transferência de tecnologia para o país.

Autorizada pela presidente Dilma Rousseff, a compra foi selada com a assinatura de declaração de intenção durante a visita do primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev, ao Brasil.

"Os equipamentos devem ser entregues e estarão em atividade em 2016, a tempo das Olimpíadas", afirmou à Reuters o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, general José Carlos De Nardi, quem assinou o termo por parte do Brasil.

Segundo ele, o Brasil precisa atualizar seu sistema de defesa antiaéreo e, pelo acordo assinado nesta quarta-feira, os russos se comprometeram a "abrir a caixa preta" da tecnologia adquirida.

De Nardi afirmou que o sistema não estará em atividade até a Copa do Mundo, no ano que vem, mas disse que é uma vitória ter a tecnologia até 2016.

"A Olimpíada propõe mais desafios porque se realiza em vários pontos na mesma cidade. Na Copa, é apenas um local em diversas cidades, o que em termos de defesa é menos desafiador", disse.

Ele disse que em até três meses o contrato será redigido e a produção dos equipamentos poderá começar na Rússia. A produção no Brasil, que será realizada por uma série de empresas coordenadas pela Odebrecht Defesa, começará com equipamentos mais simplificados e, em alguns anos, deve incluir itens mais sofisticados.

"É conhecida a carência brasileira na área de proteção antiaérea", disse à Reuters uma fonte do Itamaraty que acompanhou as reuniões com o primeiro-ministro russo, que esteve com a presidente Dilma nesta manhã.

De Nardi afirmou que já havia se reunido com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e que voltaria a se reunir com ele nesta tarde para detalhar a fonte dos recursos a serem utilizadas pelo governo. "Mais à frente teremos que discutir se há mercado para a produção no Brasil", disse ele.   Continuação...