Justiça rejeita acusação criminal contra Chevron e Transocean

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 16:19 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 20 Fev (Reuters) - A Justiça do Brasil rejeitou as acusações criminais contra a petrolífera Chevron, a operadora de sondas Transocean e 17 funcionários, em caso relacionado ao vazamento de petróleo de 2011, disseram nesta quarta-feira à Reuters três fontes com conhecimento do assunto.

O Ministério Público poder recorrer da decisão, de acordo com uma das fontes.

Em março de 2012, o Ministério Público denunciou as companhias e os funcionários, incluindo o ex-presidente da unidade da Chevron no Brasil, George Buck, por conta do vazamento de cerca de 3.600 barris na área de Frade, na costa do Rio de Janeiro.

As fontes pediram anonimato porque seus empregadores não as permitem falar sobre o caso.

As acusações criminais poderiam levar os acusados a até 31 anos de cadeia e foram feitas em meio a processos que buscam indenização de cerca de 40 bilhões de reais.

A Chevron detém 52 por cento do campo de Frade, sendo também a operadora. A Petrobras detém 30 por cento do campo e o restante pertence ao Frade Japão, grupo das tradings Inpex Corp. e Sojitz Corp..

A Petrobras e as tradings não foram acusadas no caso.

(Por Jeb Blount)