February 21, 2013 / 8:20 PM / 4 years ago

BC e Fazenda não veem inflação convergindo para centro da meta em 2013

5 Min, DE LEITURA

Por Luciana Otoni

BELO HORIZONTE, 21 Fev (Reuters) - O diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Hamilton Araújo, disse nesta quinta-feira que não é factível esperar que a inflação brasileira convirja para o centro da meta de 4,5 por cento neste ano, indicando ainda que a autoridade monetária vê um câmbio menos volátil.

A visão do Banco Central foi corroborada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, que disse nesta quinta-feira ver a inflação fechando o ano em torno de 5,5 por cento.

"Com informações de que dispomos hoje, não é realista imaginar convergência (da inflação) em 2013", disse ele em entrevista a jornalistas, acrescentando que a inflação mostrará resistência no primeiro semestre e recuará no segundo semestre do ano.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) atingiu 0,86 por cento em janeiro, maior variação desde abril de 2005, acumulando alta de 6,15 por cento em 12 meses. A meta de inflação deste ano é de 4,5 por cento, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos.

O diretor, durante a apresentação do Boletim Regional do BC, reforçou as últimas declarações dadas pelo presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, de que a atual política continua válida, mas que os ciclos monetários não foram abolidos e que, se necessário, a política monetária poderá ser ajustada.

"Ele (Tombini) falou que não há risco de descontrole inflacionário, portanto, vale a mensagem. Ele falou que neste momento a estratégia da política monetária está mantida... e que não foram abolidos os ciclos monetários."

Nesta mesma linha, Mantega disse em teleconferência com jornalistas e analistas que a "situação inflacionária está sob controle".

As preocupações com a inflação levaram o mercado de juros a precificar uma aumento da taxa Selic já neste primeiro semestre, depois de ter recuado no ano passado para a mínima histórica de 7,25 por cento ao ano.

Carlos Hamilton citou os preços dos alimentos, possíveis altas dos preços administrados e a pressão exercida pelo reajuste de 9 por cento no salário mínimo como fatores que devem manter a inflação em alta no primeiro semestre.

Por outro lado, o diretor do BC argumentou que, nas contas da autoridade monetária para a inflação neste ano, o cenário incorpora o mercado de câmbio menos volátil.

"Temos dito que, no nosso horizonte de projeção para a inflação, vemos um câmbio menos volátil que no passado recente", disse.

Segundo ele, a maior parte de variações cambiais é incorporada aos preços em um intervalo de 12 meses.

Investimento E Crescimento

O investimento no país continua mostrando performance insatisfatória, conforme análise do diretor, impedindo a economia brasileira de apresentar taxas de crescimento mais robustas.

"Talvez o único segmento da demanda que tem mostrado fragilidade é o investimento, pegando o consumo do governo, das famílias e exportações", disse ele.

A dificuldade de reação do investimento é um dos motivos do baixo desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) em 2012. E mesmo com a série de estímulos adotados no ano passado, nos bastidores do governo a avaliação é que também nos primeiros trimestres de 2013 esse indicador não apresentará bom desempenho, devendo mostrar reação mais positiva somente no fim do ano, após reação nos demais setores e início dos efeitos dos programas de concessão.

Os dados sobre o PIB de 2012 serão apresentados em 1o de março. Na quarta-feira, o BC divulgou que a variação do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) --tido como um sinalizador do PIB-- ficou em 0,26 por cento em dezembro ante novembro. A alta ficou abaixo do esperado reforçando as possibilidades de que a economia não tenha superado 1 por cento no ano passado.

O BC mantém a indicação de expansão mais modesta para o crédito neste ano, em 14 por cento, prevendo ainda que o nível de calotes diminuirá.

"A inadimplência está em nível elevado, mas trabalhamos com perspectiva de que ela recue", comentou. Em dezembro, no último dado disponível, a inadimplência ficou em 5,8 por cento.

Reportagem adicional de Alonso Soto, em Brasília

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below