Itália exorta população a votar em eleição crítica para zona do euro

sábado, 23 de fevereiro de 2013 13:14 BRT
 

ROMA, 23 fev (Reuters) - A Itália está pressionando seus cidadãos a irem votar em um dos pleitos mais aguardados em muitos anos no domingo e na segunda-feira, com os mercados financeiros atentos à perspectiva de um impasse político que poderia reavivar a crise fiscal da zona do euro.

As campanhas estão proibidas desde a meia-noite de sexta, quando os líderes fizeram seus últimos comícios. O comediante Beppe Grillo roubou a cena em Roma, atraindo cerca de meio milhão de pessoas para ouvir suas tiradas contra políticos e banqueiros corruptos.

O Ministério do Interior chamou os cerca de 47 milhões de eleitores a ir às urnas, e disse ter se preparado para o tempo ruim, que pode ter neve em algumas regiões, para garantir que todos tenham a chance de depositar seu voto.

"As eleições são um momento fundamental para uma democracia, e queremos que todos os nossos cidadãos as vivenciem da melhor maneira possível", declarou a ministra do Interior, Anna Maria Cancellieri, em um vídeo publicado no site da pasta.

Uma pesquisa divulgada na terça-feira disse que cerca de 28 por cento dos italianos ainda não decidiu em quem votar ou cogita não fazê-lo, e mostrou que cerca de cinco milhões de pessoas devem se decidir nos últimos dias.

As pesquisas finais, publicadas duas semanas atrás, mostravam o líder de centro-esquerda Pier Luigi Bersani com uma vantagem de cinco pontos, mas os analistas duvidam que ele seja capaz de formar uma maioria estável que possa levar adiante as reformas econômicas que a Itália precisa para sair da recessão.

Estima-se que agora Bersani só esteja alguns pontos à frente do líder de centro-direita Silvio Berlusconi, ex-primeiro-ministro que prometeu a restituição de impostos e fez uma maratona junto à imprensa.

O sucesso da "Turnê Tsunami" de Grillo aumentou a incerteza. Grandes multidões foram ouvi-lo vociferar contra a corrupção e a austeridade, sublinhando a dimensão da revolta popular contra partidos tradicionais e a capacidade de seu Movimento 5-Estrelas para chacoalhar as eleições.

"Grillo está dizendo as coisas que todos os italianos comuns pensam, está nos dando esperança", afirmou Luca Pennisi, de 41 anos, que faz massas para tortas para um café da capital no qual vários clientes ainda não sabiam em quem votar.   Continuação...

 
Homem senta-se próximo a cartazes de campanha do partido de Silvio Berlusconi, Povo da Liberdade, em Nápoles, Itália. A Itália está pressionando seus cidadãos a irem votar em um dos pleitos mais aguardados em muitos anos no domingo e na segunda-feira, com os mercados financeiros atentos à perspectiva de um impasse político que poderia reavivar a crise fiscal da zona do euro. 22/02/2013 REUTERS/Alessandro Bianchi