Italianos vão às urnas em eleições cruciais para zona do euro

domingo, 24 de fevereiro de 2013 13:16 BRT
 

ROMA, 24 Fev (Reuters) - Os italianos começaram a votar neste domingo em uma das eleições parlamentares mais atentamente seguidas em anos, com os mercados ansiosos para que resultem em um governo forte para tirar a Itália da recessão e ajudar a resolver a crise da zona do euro.

Algumas das primeiras pessoas a comparecer às urnas mostraram receios de que não haja um claro vencedor, o que levaria a uma instalidade política e uma coalizão que não governaria por muito tempo.

"Acho que teremos outras eleições. (...) Acredito que haverá instabilidade nos próximos dois anos", afirmou Vincenzo D'Ouria, eleitor em Milão.

Os italianos começaram a votar às 4h (de Brasília). As urnas estarão abertas até as 19h e voltarão a funcionar entre 3h e 11h de segunda-feira. As pesquisas de boca de urna começarão a sair assim que a votação acabar, e os resultados oficiais são previstos para o começo de terça-feira.

Os mercados financeiros estão acompanhando as eleições com atenção devido à crise de dívida que levou o primeiro-ministro Mario Monti ao poder há menos de um ano.

O tecnocrata e a mulher dele votaram em uma escola de Milão.

Pesquisas finais, há duas semanas, mostraram o líder da centro-esquerda Luigi Bersani com cinco pontos de vantagem, embora analistas descordem se será capaz de formar uma maioria estável para fazer as reformas de que a Itália precisa.

Bersani estaria agora apenas alguns pontos à frente de Silvio Berlusconi, que já foi primeiro-ministro quatro vezes e prometeu reforma tributária, fazendo forte campanha na mídia para angariar votos.

O partido do comediante Beppe Grillo, o Movimento Cinco Estrelas, formado por políticos novatos, aparece em terceiro lugar nas pesquisas das primeiras eleições gerais em que concorre.

(Por Catherine Hornby)

 
Líder do partido Democrático, Pierluigi Bersani, deixa cabine de votação em seção eleitoral de Piacenza, Itália. Os italianos começaram a votar neste domingo em uma das eleições parlamentares mais atentamente seguidas em anos, com os mercados ansiosos para que resultem em um governo forte para tirar a Itália da recessão e ajudar a resolver a crise da zona do euro. 24/02/2013 REUTERS/Paolo Bona