Economia dos EUA quase não cresce no 4o tri

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013 15:39 BRT
 

Por Jason Lange

WASHINGTON, 28 Fev (Reuters) - A economia dos Estados Unidos quase não cresceu no quarto trimestre de 2012, embora uma performance um pouco melhor nas exportações e menos importações tenham levado o governo a descartar uma estimativa anterior que mostrava contração.

Outro relatório divulgado nesta quinta-feira mostrou uma queda nos novos pedidos de auxílio-desemprego na semana passada, sugerindo que a recuperação do mercado de trabalho está ganhando força.

O Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano se expandiu a uma taxa anual de 0,1 por cento, informou o Departamento de Comércio nesta quinta-feira, ante alta de 0,5 por cento previsto por analistas em pesquisa da Reuters.

A taxa de crescimento foi a mais lenta desde o primeiro trimestre de 2011, e distante do que é necessário para alimentar uma queda mais veloz na taxa de desemprego.

Muito dessa fraqueza ainda veio de uma desaceleração no acúmulo de estoques e de uma forte perda nos gastos militares. Espera-se que tais fatores sejam revertidos no primeiro trimestre deste ano.

Os gastos dos consumidores avançaram na mesma comparação, embora tenham se expandido em uma taxa anual de apenas 2,1 por cento.

Como a força dos gastos das famílias provém cerca de 70 por cento da produção nacional, esse ritmo de crescimento ainda sem brilho sugere que o dinamismo da economia era bem modesto no início do primeiro trimestre, quando um aperto fiscal significativo teve início.

No entanto, dados sobre vendas no varejo e do mercado imobiliário sugeriram que aumentos de impostos promulgados em janeiro não foram um grande empecilho para as famílias.   Continuação...

 
Pilhas de notas de cem dólares são apresentadas à mídia na cidade do México. A economia dos Estados Unidos quase não cresceu no quarto trimestre de 2012, embora uma performance um pouco melhor nas exportações e menos importações tenham levado o governo a descartar uma estimativa anterior que mostrava contração. 22/11/2011 REUTERS/Bernardo Montoya