Dom Odilo Scherer, um "papável" com iPhone e contra ofensiva evangélica

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013 16:30 BRT
 

Por Esteban Israel

SÃO PAULO, 28 Fev (Reuters) - O cardeal brasileiro Odilo Scherer viajou esta semana para Roma para o conclave que elegerá o sucessor do papa Bento 16. E seus fiéis rezam para que não volte.

No Brasil, país com o maior número de católicos do mundo, muitos sonham em ver no próximo mês o arcebispo de São Paulo surgir de branco no balcão da Basílica de São Pedro, como o primeiro papa latino-americano.

O cardeal de 63 anos que fala de política e conta piadas em sua conta no Twitter é, dizem seus fiéis, um candidato ideal para tirar a Igreja Católica da crise e renová-la.

"Que ninguém espere coisas espetaculares", advertiu no domingo, em sua última missa antes de embarcar para Roma. "Não imaginemos que a eleição do papa seja uma questão de políticas humanas", acrescentou.

Mas, como pastor de um dos maiores rebanhos católicos do mundo, vários analistas colocam Scherer entre os candidatos para suceder Bento 16, que deixa o pontificado nesta quinta-feira por razões de idade depois de um período abalado por intrigas e escândalos.

"Seria muito bom para o Brasil", disse Ruth de Souza, de 67 anos, na saída da Catedral da Sé, no centro de São Paulo. "Nós, católicos, estamos sendo muito pressionados pelas igrejas evangélicas", acrescentou.

As igrejas na América Latina, historicamente um bastião do catolicismo, foram se esvaziando durante os últimos anos à medida que mais e mais fiéis desertaram para os cultos evangélicos.

E o Brasil é um dos principais campos de batalha na disputa por almas, que, junto com os escândalos de abusos sexuais, será um dos maiores desafios do próximo papa.   Continuação...

 
Arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Pedro Scherer, celebra missa na Catedral da Sé, em São Paulo. 13/02/2013 REUTERS/Paulo Whitaker