24 de Setembro de 2013 / às 14:14 / 4 anos atrás

Dilma critica na ONU espionagem dos EUA

Presidente Dilma Rousseff discursa na abertura da 68º Assembleia-Geral da ONU, em Nova York. Dilma defendeu na Organização das Nações Unidas nesta terça-feira que sejam criadas condições para evitar que o espaço cibernético seja instrumentalizado como arma de guerra. 24/07/2013. REUTERS/Mike Segar

24 Set (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff criticou com veemência atos de espionagem dos Estados Unidos em discurso na Organização das Nações Unidas, nesta terça-feira, e defendeu que se criem condições para evitar que o espaço cibernético seja instrumentalizado como arma de guerra.

“Imiscuir-se dessa forma na vida de outros países fere o Direito Internacional e afronta os princípios que devem reger as relações entre eles”, disse Dilma na abertura da 68a Assembleia-Geral da ONU em Nova York.

A presidente Dilma protestou contra os atos de espionagem sofridos por empresas e cidadãos brasileiros e pela própria Presidência da República.

“No Brasil, a situação foi ainda mais grave, pois aparecemos como alvo dessa intrusão”, disse.

“Fizemos saber ao governo norte-americano nosso protesto, exigindo explicações, desculpas e garantias de que tais procedimentos não se repetirão”, afirmou.

A presidente Dilma adiou visita de Estado que faria a Washington no mês que vem após denúncias de que a Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) espionou emails, mensagens de texto e telefonemas entre a presidente e assessores.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below